sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Ex-mulher de Blatter diz que a Suíça deveria agradecer ao dirigente

A ex-mulher de Joseph Blatter, ex-presidente da FIFA que foi suspenso por oito anos, defendeu que a Suíça deveria estar "grata" ao ex-dirigente, devido ao seu contributo para o futebol.

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Quando Sepp Blatter foi suspenso por oito anos, por atos que ainda estão por provar, deveria ter recebido um bónus de 20 anos por todo o bem que fez pelo futebol", referiu Graziella Blatter- Bianca ao jornal suíço Blick.

A ex-mulher de Blatter, a terceira, uma antiga treinadora de golfinhos, casou com o ex-dirigente em 2002, mas dois anos depois separaram-se.

"Vi tudo o que ele deu ao seu trabalho. A FIFA vai debater-se para encontrar um sucessor. A Suíça deveria estar-lhe agradecida", reiterou Blatter-Bianca, surgindo uma vez mais em defesa do ex-marido.

O antigo presidente do organismo do futebol mundial foi suspenso em dezembro por oito anos pelo Comité de Ética da FIFA, bem como o presidente da UEFA, o francês Michel Platini.

Sepp Blatter, de 79 anos, foi acusado de ter protagonizado um pagamento irregular a Michel Platini, em 2011. O valor do pagamento terá rondado os 2 milhões de francos suíços (cerca de 1,8 milhões de euros).

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.