sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Gianni Infantino quer Mundial de futebol com 40 seleções

O suíço Gianni Infantino prometeu esta terça-feira reformas para voltar a dar credibilidade à FIFA, distribuir mais dinheiro pelas federações e aumentar para 40 o número de seleções na fase final do Mundial.

Gianni Infantino propõe a criação de um comité para tomada de decisões fundamentais, um limite máximo de 12 anos em funções para os dirigentes, incluindo o presidente, e defende que as remunerações dos mesmos devem ser públicas.

Gianni Infantino propõe a criação de um comité para tomada de decisões fundamentais, um limite máximo de 12 anos em funções para os dirigentes, incluindo o presidente, e defende que as remunerações dos mesmos devem ser públicas.

© Benoit Tessier / Reuters

As medidas constam do manifesto eleitoral hoje apresentado pelo suíço, secretário-geral da UEFA e um dos cinco candidatos à presidência da FIFA.

Gianni Infantino propõe a criação de um comité para tomada de decisões fundamentais, um limite máximo de 12 anos em funções para os dirigentes, incluindo o presidente, e defende que as remunerações dos mesmos devem ser públicas.

"No seu conjunto, creio que estas alterações vão devolver à FIFA credibilidade e integridade", disse Infantino.

O candidato defende ainda que, no futuro, a FIFA deve distribuir 50% das suas receitas pelas federações filiadas.

Ao abrigo desta distribuição, as 209 federações poderão receber cinco milhões de dólares (cerca de 4,6 milhões de euros) e as confederações uma verba a rondar os 40 milhões de dólares (cerca de 36,7 milhões de euros).

Infantino defende o aumento de 32 para 40 seleções na fase final do Mundial e defende um "sistema de rotação claro", no qual cada continente terá de esperar duas edições para poder albergar o evento de novo.

Além de Gianni Infantino, concorrem às eleições da FIFA, agendadas para 26 de fevereiro, Salman bin Ebrahim Al Khalifa, do Bahrein, o francês Jérôme Champagne, o jordano Ali Bin Al Hussein e o sul-africano Tokyo Sexwale.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28