sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Gianni Infantino quer Mundial de futebol com 40 seleções

O suíço Gianni Infantino prometeu esta terça-feira reformas para voltar a dar credibilidade à FIFA, distribuir mais dinheiro pelas federações e aumentar para 40 o número de seleções na fase final do Mundial.

Gianni Infantino propõe a criação de um comité para tomada de decisões fundamentais, um limite máximo de 12 anos em funções para os dirigentes, incluindo o presidente, e defende que as remunerações dos mesmos devem ser públicas.

Gianni Infantino propõe a criação de um comité para tomada de decisões fundamentais, um limite máximo de 12 anos em funções para os dirigentes, incluindo o presidente, e defende que as remunerações dos mesmos devem ser públicas.

© Benoit Tessier / Reuters

As medidas constam do manifesto eleitoral hoje apresentado pelo suíço, secretário-geral da UEFA e um dos cinco candidatos à presidência da FIFA.

Gianni Infantino propõe a criação de um comité para tomada de decisões fundamentais, um limite máximo de 12 anos em funções para os dirigentes, incluindo o presidente, e defende que as remunerações dos mesmos devem ser públicas.

"No seu conjunto, creio que estas alterações vão devolver à FIFA credibilidade e integridade", disse Infantino.

O candidato defende ainda que, no futuro, a FIFA deve distribuir 50% das suas receitas pelas federações filiadas.

Ao abrigo desta distribuição, as 209 federações poderão receber cinco milhões de dólares (cerca de 4,6 milhões de euros) e as confederações uma verba a rondar os 40 milhões de dólares (cerca de 36,7 milhões de euros).

Infantino defende o aumento de 32 para 40 seleções na fase final do Mundial e defende um "sistema de rotação claro", no qual cada continente terá de esperar duas edições para poder albergar o evento de novo.

Além de Gianni Infantino, concorrem às eleições da FIFA, agendadas para 26 de fevereiro, Salman bin Ebrahim Al Khalifa, do Bahrein, o francês Jérôme Champagne, o jordano Ali Bin Al Hussein e o sul-africano Tokyo Sexwale.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.