sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Novo Banco ameaça processar manifestantes

O Novo Banco admite vir a processar os clientes que coloquem em causa os serviços do banco e sobretudo os que têm ameaçado funcionários.

ESTELA SILVA/LUSA

Em comunicado, Eduardo Stock da Cunha,  Presidente do Novo Banco, afirma que os lesados têm o direito a manifestar-se, mas que não podem fazê-lo fora do quadro da lei e contra quem não cabe e não tem autonomia para os satisfazer.

O Novo Banco reafirma ainda que não tem poderes para decidir sobre formas de compensação ou reembolso aos clientes que investiram em dívida do antigo Grupo Espírito Santo.

A administração sublinha que, nos termos da resolução, essa responsabilidade não cabe ao Novo Banco, ainda assim, adianta que estão a ser estudadas soluções com o Banco de Portugal para solucionar problemas de alguns clientes.

Nos últimos meses, têm-se somado protestos junto dos balcões do Novo Banco, ex-BES. 

Os depositantes queixam-se de ter perdido as suas poupanças, depois de serem levados a investir o dinheiro em aplicações do Grupo Espírito Santo (GES), aos balcões do BES, que o banco, segundo os mesmos, garantia não serem de risco.
  • Manifestantes furaram barreira policial e entraram na sede do Novo Banco
    1:29

    Queda do BES

    Alguns dos manifestantes dos lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo conseguiram hoje furar a barreira policial e entrar na sede do Novo Banco, em Lisboa. Apesar dos cerca de 30 polícias que guardavam o edifício na Avenida da Liberdade, os manifestantes conseguiram entrar nas instalações pouco antes das duas da tarde,enquanto as outras cerca de 150 pessoas batiam nos vidros do balcão e exigiam que lhes fosse devolvido o dinheiro que perderam com o papel comercial do GES. O protesto percorreu também as sedes dos possíveis candidatos à compra do Novo Banco. O principal alvo da ira dos manifestantes tem sido o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa.

  • Luaty Beirão satisfeito com sinais de mudança de paradigma em Angola
    4:03

    Mundo

    Sete meses depois da tomada de posse de João Lourenço como presidente de Angola, o país vive um tempo de revoluções. Mudanças inéditas que, nas palavras do ativista Luaty Beirão, permitem ter esperança num futuro melhor. O músico esteve em Lagos, a convite da Câmara Municipal, para falar sobre Livros e Liberdade.

  • O portal onde pode consultar certidões e outros documentos sem sair de casa
    7:37
  • Presidente da Comunidade de Madrid demite-se depois da divulgação de vídeo de roubo
    1:27