sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Advogado vai recorrer da prisão domiciliária de Ricardo Salgado

O advogado de Ricardo Salgado considera a prisão domiciliária, medida de coação hoje decidida para o seu cliente, como "bastante desproporcional" e anunciou que vai recorrer, em declarações aos jornalistas ao início de sábado.

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco / AP

Francisco Proença de Carvalho, que falava no exterior do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa, disse que, no final do interrogatório a Ricardo Salgado, foram determinadas várias medidas de coação, das quais "a mais relevante é a obrigação de permanência na habitação", de onde só pode sair "com autorização do meritíssimo juiz".

Depois de declarar que não ia fazer "grandes comentários, o advogado disse que, no seu entendimento, esta medida de coação é "bastante desproporcional", acrescentando: "Com todo o respeito pelo Estado de Direito e pelas regras, vamos apresentar recurso".

O causídico adiantou que o ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES) se deslocou ao TCIC "voluntariamente, de forma bastante informal, como deve ser" e que "mais uma vez prestou declarações e deu os esclarecimentos que entende[u] que deve dar, sempre com uma postura cooperante, voluntária e de estar presente perante a justiça, como esteve neste ano". Recordou a propósito que "já passou mais de um ano desde a saída do BES", garantindo que "é essa sempre a postura", de colaborar com a justiça.

Depois de repetir que "a postura [se] vai manter de colaboração [e] busca da verdade do que aconteceu no BES", Francisco Proença de Carvalho garantiu que "não aceita[mos] julgamentos sumários de ninguém".

No final das suas declarações aos jornalistas, ficou a frase: "As coisas não são como começam, mas como acabam", adiantando: "Já vi muitos casos assim".

Ricardo Salgado foi inquirido desde as 09:30 de sexta-feira, pelo juiz Carlos Alexandre, e já tinha sido interrogado e constituído arguido pelo Ministério Público, na segunda-feira, no âmbito da investigação "Universo Espírito Santo", segundo um comunicado da Procuradoria-Geral da República (PGR), enviado à agência Lusa.

Segundo a mesma nota, no âmbito da investigação, "foram constituídos seis arguidos", estando "em causa a suspeita da prática de crimes de falsificação, falsificação informática, burla qualificada, abuso de confiança, fraude fiscal, corrupção no setor privado e branqueamento de capitais".

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Incêndio num estádio em Xangai destrói parte da bancada

    Mundo

    O Estádio Hongkou da equipa chinesa Shanghai Shenhua foi atingido esta terça-feira por um incêndio que acabou por danificar parte da bancada e algumas salas no interior da infraestrutura. Para o local, foi enviada uma equipa de bombeiros que conseguiu controlar as chamas.