sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

BCP fora da corrida ao Novo Banco devido a restrições derivadas do auxílio estatal

O presidente do BCP afastou-se da corrida ao Novo Banco devido às restrições relacionadas com a ajuda estatal recebida em 2012, salientando que o ideal seria que a entidade fosse vendida a um banco já instalado no mercado português.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"Temos impedimentos. Não vamos [participar no segundo processo de venda iniciado pelo Banco de Portugal]", afirmou hoje Nuno Amado, durante a conferência de imprensa de apresentação de resultados do BCP em 2015.

"Se a melhor oferta for para consolidação, seria um 'dois em um'. O fundamental é vender pelo melhor preço. Teoricamente quem deveria oferecer o melhor preço é quem consolida, porque tem melhorias", sublinhou.

Perante a insistência dos jornalistas sobre um eventual interesse do BCP na compra do Novo Banco, Nuno Amado reforçou que esse não é um objetivo.

"Neste momento não está nos nossos planos", sublinhou.

No âmbito do auxílio estatal recebido pelo BCP em 2012, cujas condições foram negociadas com a Comissão Europeia, o banco ficou impedido de fazer aquisições durante dois anos após ter devolvido todas as ajudas.

Ora, o BCP ainda não devolveu 750 milhões de euros em instrumentos híbridos (CoCo's) subscritos pelo Estado português, pretendendo fazê-lo este ano, pelo que não pode concorrer à compra do Novo Banco.

Nuno Amado explicou que o BCP até poderia pedir uma autorização especial a Bruxelas para o efeito, mas que não acredita que tivesse resposta positiva, pelo que nem o vai fazer.

"Não vamos pedir à Direção Geral da Concorrência coisas que sabemos que não vão fazer. É só gastar cartuchos. Excecionalmente poderá ser dada uma autorização, mas é muito difícil".

Lusa

  • José Sócrates terá favorecido o Grupo Espírito Santo
    2:20

    Operação Marquês

    O Ministério Público suspeita que José Sócrates recebeu luvas do Grupo Espírito Santo. Os pagamentos terão sido feitos a troco de decisões políticas que favoreceram negócios do império de Ricardo Salgado. Em causa poderá estar, por exemplo, o chumbo indireto da OPA da Sonae à Portugal Telecom, em 2006. Contactado pela SIC, Sócrates negou ter alguma vez favorecido o Grupo Espírito Santo e garantiu que nunca foi confrontado com essa suspeita. O ex-primeiro-ministro reafirma que não indicou qualquer sentido de voto à Caixa Geral e sublinha que a única vez que usou a goldenshare foi para travar a venda da Vivo, contra a vontade do Grupo Espírito Santo. Conntactada pela SIC, a assessoria de imprensa de Ricardo Salgado registou o pedido de reação, mas ainda não teve tempo útil para enviar qualquer comentário.

  • Sócrates nega favorecimento ao Grupo Espírito Santo
    2:19

    Operação Marquês

    O Ministério Público suspeita que José Sócrates recebeu luvas do Grupo Espírito Santo. Os pagamentos terão sido feitos a troco de decisões políticas que favoreceram negócios do grupo. Em causa poderá estar, por exemplo, o chumbo indireto da OPA da Sonae à Portugal Telecom, em 2006. Contactado pela SIC, Sócrates negou alguma vez ter favorecido o Grupo Espírito Santo e garantiu que nunca foi confrontado com essa suspeita. O ex-primeiro-ministro reafirma que não indicou qualquer sentido de voto à Caixa Geral e sublinha que a única vez que usou a goldenshare foi para travar a venda da Vivo, contra a vontade do Grupo Espírito Santo. Em comunicado, os advogados do antigo banqueiro vêm dizer que a notícia sobre um alegado favorecimento do GES, por intervenção do Ricardo Salgado, junto de entidades políticas, é absolutamente falsa.

  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • Capacetes Brancos agradecem Óscar para filme sobre a guerra na Síria
    1:34

    Óscares 2017

    O Óscar para melhor documentário curto foi atribuído a um filme sobre a guerra na Síria. "The White Helmets" retrata o trabalho dos Capacetes Brancos, uma equipa de voluntários que ajuda no salvamento e resgate de habitantes sírios atingidos pelo conflito no país. O Fundador dos Capacetes Brancos já veio fazer um agradecimento público pela atribuição deste galardão. Raed Saleh diz que é uma motivação para os voluntários que todos os dias arriscam a vida para salvar outras pessoas.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16