sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

BCP fora da corrida ao Novo Banco devido a restrições derivadas do auxílio estatal

O presidente do BCP afastou-se da corrida ao Novo Banco devido às restrições relacionadas com a ajuda estatal recebida em 2012, salientando que o ideal seria que a entidade fosse vendida a um banco já instalado no mercado português.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"Temos impedimentos. Não vamos [participar no segundo processo de venda iniciado pelo Banco de Portugal]", afirmou hoje Nuno Amado, durante a conferência de imprensa de apresentação de resultados do BCP em 2015.

"Se a melhor oferta for para consolidação, seria um 'dois em um'. O fundamental é vender pelo melhor preço. Teoricamente quem deveria oferecer o melhor preço é quem consolida, porque tem melhorias", sublinhou.

Perante a insistência dos jornalistas sobre um eventual interesse do BCP na compra do Novo Banco, Nuno Amado reforçou que esse não é um objetivo.

"Neste momento não está nos nossos planos", sublinhou.

No âmbito do auxílio estatal recebido pelo BCP em 2012, cujas condições foram negociadas com a Comissão Europeia, o banco ficou impedido de fazer aquisições durante dois anos após ter devolvido todas as ajudas.

Ora, o BCP ainda não devolveu 750 milhões de euros em instrumentos híbridos (CoCo's) subscritos pelo Estado português, pretendendo fazê-lo este ano, pelo que não pode concorrer à compra do Novo Banco.

Nuno Amado explicou que o BCP até poderia pedir uma autorização especial a Bruxelas para o efeito, mas que não acredita que tivesse resposta positiva, pelo que nem o vai fazer.

"Não vamos pedir à Direção Geral da Concorrência coisas que sabemos que não vão fazer. É só gastar cartuchos. Excecionalmente poderá ser dada uma autorização, mas é muito difícil".

Lusa

  • José Sócrates terá favorecido o Grupo Espírito Santo
    2:20

    Operação Marquês

    O Ministério Público suspeita que José Sócrates recebeu luvas do Grupo Espírito Santo. Os pagamentos terão sido feitos a troco de decisões políticas que favoreceram negócios do império de Ricardo Salgado. Em causa poderá estar, por exemplo, o chumbo indireto da OPA da Sonae à Portugal Telecom, em 2006. Contactado pela SIC, Sócrates negou ter alguma vez favorecido o Grupo Espírito Santo e garantiu que nunca foi confrontado com essa suspeita. O ex-primeiro-ministro reafirma que não indicou qualquer sentido de voto à Caixa Geral e sublinha que a única vez que usou a goldenshare foi para travar a venda da Vivo, contra a vontade do Grupo Espírito Santo. Conntactada pela SIC, a assessoria de imprensa de Ricardo Salgado registou o pedido de reação, mas ainda não teve tempo útil para enviar qualquer comentário.

  • Sócrates nega favorecimento ao Grupo Espírito Santo
    2:19

    Operação Marquês

    O Ministério Público suspeita que José Sócrates recebeu luvas do Grupo Espírito Santo. Os pagamentos terão sido feitos a troco de decisões políticas que favoreceram negócios do grupo. Em causa poderá estar, por exemplo, o chumbo indireto da OPA da Sonae à Portugal Telecom, em 2006. Contactado pela SIC, Sócrates negou alguma vez ter favorecido o Grupo Espírito Santo e garantiu que nunca foi confrontado com essa suspeita. O ex-primeiro-ministro reafirma que não indicou qualquer sentido de voto à Caixa Geral e sublinha que a única vez que usou a goldenshare foi para travar a venda da Vivo, contra a vontade do Grupo Espírito Santo. Em comunicado, os advogados do antigo banqueiro vêm dizer que a notícia sobre um alegado favorecimento do GES, por intervenção do Ricardo Salgado, junto de entidades políticas, é absolutamente falsa.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.