sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Lesados do BES avançam com ações populares contra o Banco de Portugal

Centenas de lesados interpuseram duas ações populares junto do Tribunal Administrativo de Lisboa a pedir a nulidade da deliberação de dezembro de 2015 do Banco de Portugal, que retificou a medida de resolução aplicada ao BES, em 2014.

Nas ações judiciais, que deram entrada no tribunal há uma semana, os autores defendem que é nula a deliberação do regulador, de 29 de dezembro de 2015, "que clarificou/retificou" a medida de resolução de 03 de agosto de 2014, a qual determinou que "as responsabilidades para com os lesados ficassem no BES 'mau'", e deu instruções à administração do Novo Banco "para não honrar aqueles compromissos".

Numa nota enviada hoje à agência Lusa, a sociedade de advogados Pereira de Almeida e Associados, explica que uma das ações foi "interposta em representação de lesados do papel comercial da ESI (Espírito Santo International) e Rioforte, adquirido nos balcões do BES, a conselho deste, que garantiu o respetivo pagamento".

A segunda ação, que teve o patrocínio da Associação dos Emigrantes Lesados, representa "centenas de emigrantes (mais de três centenas) que foram convencidos pelos funcionários do BES a subscreverem ações preferenciais de sociedades veículo (SPVs) dominadas pelo BES, cujo único património são obrigações do BES, com vencimento em 2049".

"Estes emigrantes lesados, muitos dos quais ficaram na miséria e em profunda depressão, foram levados enganosamente a aplicar nestas ações as poupanças de toda uma vida de trabalho e sacrifícios, na convicção de que estavam a fazer aplicações em depósitos a prazo garantidos", sustenta a Pereira de Almeida e Associados.

Este escritório de advogados frisa que os emigrantes "nunca poderiam imaginar" que produtos como Poupança Plus, Euro Aforro, Top Renda ou Eg Premium "eram as firmas de sociedades com sede nas ilhas Jersey e nas ilhas Virgem".

Segundo esta sociedade de advogados, "existe uma responsabilidade efetiva do BES" nas atuações descritas nas ações judiciais: "quer por violação do direito à informação, quer pelas garantias prestadas, a qual se transmitiu para o Novo Banco, juntamente com os ativos, nos termos da deliberação de 03 de agosto de 2014".

O fundamento para as ações populares prende-se com a "inconstitucionalidade por violação do artigo 62º da Constituição que garante o direito de propriedade, como direito fundamental, em sentido amplo, abrangendo todos os direitos patrimoniais".

A 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do Banco Espírito Santo, após o banco ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição.

No chamado 'banco mau', um veículo que mantém o nome BES, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas, enquanto no 'banco bom', o banco de transição, que foi designado Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.

A sociedade de advogados Pereira de Almeida e Associados já tinha interposto, em outubro de 2014, uma ação popular contra o Banco de Portugal, em representação de mais de 600 acionistas, pedindo a declaração de nulidade da operação de resolução, por inconstitucionalidade e por não se verificarem os pressupostos para a resolução.

Esta ação judicial defendia que o BES tinha capitais próprios substanciais e interessados na sua recapitalização, e dizia haver outras medidas corretivas alternativas, que poderiam ter mantido o funcionamento sustentável do banco, que não foram aplicadas.

Lusa

  • Auditoria revela falhas na supervisão do regulador ao BES
    1:14

    Economia

    A auditoria interna do Banco de Portugal concluiu que houve pelo menos duas falhas na atuação do regulador ao Banco Espírito Santo. Um documento com mais de 600 páginas levanta dúvidas sobre a supervisão de Carlos Costa e Vítor Constâncio. O relatório continua secreto há quase um ano apesar de ter sido pedido pela comissão de inquérito ao caso BES.

  • Solução para lesados do BES até maio
    0:32

    Economia

    Está assinado o memorando para resolver o caso dos lesados do BES. O documento foi assinado ao fim da tarde na residência oficial do primeiro ministro, pelas partes envolvidas no processo: CMVM, Banco de Portugal, Governo, BES e os representantes dos lesados. O objectivo é conseguir, até maio, uma solução que compense as perdas com os títulos vendidos aos balcões do BES.

  • Memorando aponta solução para lesados do BES até maio
    1:51

    Queda do BES

    Até ao inicio de maio deverá ser encontrada uma solução para minorar as perdas dos lesados do BES. A data consta do memorando de entendimento assinado hoje em S. Bento. O primeiro-ministro diz que o Governo não se substitui à justiça mas terá um papel de observador que permita encontrar essa solução.

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.