sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Negociações entre autoridades gregas e credores arrancam hoje em Bruxelas

As negociações técnicas entre as autoridades gregas e os credores arrancaram hoje em Bruxelas, confirmou fonte oficial da Comissão Europeia, acrescentando que é esperado que haja acordo, pelo menos, até final de abril.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Francois Lenoir / Reuters

"As negociações técnicas entre os peritos das autoridades gregas e os parceiros internacionais e europeus estão a decorrer em Bruxelas, sendo apoiados por contactos técnicos em Atenas", disse hoje aos jornalistas a porta-voz da Comissão Europeia Mina Andreeva, na conferência de imprensa diária do executivo comunitário.


Estas negociações servem para discutir e especificar as reformas propostas pelo Governo grego, com a porta-voz da Comissão Europeia a afirmar que se espera que seja alcançado um acordo, "pelo menos, até ao final de abril".

 

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, anunciou na segunda-feira, no fim da reunião que juntou os ministros das Finanças da zona euro, o arranque hoje das negociações técnicas entre a Grécia e a Comissão Europeia (CE), o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), depois de ter considerado que desde o acordo de fevereiro, que prolongou o programa de ajustamento até junho, se esteve sobretudo a "desperdiçar tempo" com questões como "quem, onde e como decorrem as reuniões".

 

O ministro das Finanças da Holanda disse também que será preciso que haja um acordo para que seja emprestado mais dinheiro a Atenas, quando o país se debate com problemas de tesouraria para fazer face às obrigações financeiras, perante a queda de receitas e a necessidade de fazer face a desembolsos, inclusivamente ao FMI.

 

Segundo notícias avançadas recentemente, para pagar contas imediatas, o Governo pode vir a usar para já os 500 milhões de euros do fundo de resgate da banca.

 

O objetivo das negociações que hoje arrancaram é chegar a um acordo para fechar o atual programa de resgate e assim desbloquear a última tranche financeira, cujos fundos pendentes ascendem a 7 mil milhões de euros.

 

Segundo as agências de notícias, nos primeiros dias de negociações será feita uma análise da execução orçamental da Grécia e das necessidades financeiras de médio prazo e será definido como se processará o resto do trabalho.

 

A porta-voz da Comissão Europeia não quis hoje avançar informações sobre o lugar específico em que decorrem as conversações ou os nomes dos participantes, mas a agência France Presse diz que, entre os participantes nas discussões, estão Declan Costello, pela Comissão Europeia, Klaus Masuch, pelo BCE, e Rishi Goyal, pelo FMI, os chefes da missão da 'troika', nome que o novo governo grego rejeita e que os seus parceiros da zona euro aceitaram rebatizar de "instituições".

 

Do lado grego, destaque para o secretário-geral do Ministério das Finanças, Nikos Theoharakis.

 

As negociações decorrem em Bruxelas, depois de o novo Governo grego, liderado por Alexis Tsipras, ter manifestado a vontade de evitar, por razões simbólicas, a estadia de delegações dos credores em Atenas, como aconteceu no passado.

 

Por esse motivo, é dito que em Bruxelas decorrem as negociações principais, enquanto em Atenas estarão equipas técnicas para dar suporte ao que se passa na capital belga.

 

Na semana passada, o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, enviou uma carta ao Eurogrupo apresentando sete medidas, que incluem planos para reduzir a burocracia, aumentar a receita fiscal proveniente do jogo 'online' e contratar um conjunto de inspetores fiscais amadores - incluindo turistas - para detetar fuga ao fisco.

 

Entretanto, a Grécia já se mostrou disponível para apresentar propostas adicionais, nomeadamente no combate à fraude e à evasão fiscal.


Lusa

 

 

  • Ministra das Finanças diz que não há nada para esclarecer com Varoufakis
    0:19

    Economia

    A ministra das Finanças diz que não há nada para esclarecer com o homólogo grego. No final da reunião do Eurogrupo, esta segunda-feira, em Bruxelas, Maria Luís Albuquerque disse que não teve oportunidade de falar com Yanis Varoufakis. Este foi o primeiro encontro oficial entre os dois desde que o Governo grego acusou Portugal e Espanha de tentarem bloquear um acordo para o prolongamento da assistência financeira a Atenas.

  • Negociações técnicas entre a Grécia e a troika começam quarta-feira
    0:40

    Crise na Grécia

    A discussão sobre a situação da Grécia na reunião do Eurogrupo terá demorado apenas 30 minutos. Os ministros das Finanças ouviram as sete reformas propostas pelo Governo grego, e que foram apresentadas por Varoufakis, mas não tomaram qualquer decisão. A Grécia mostrou-se disponível para enviar propostas adicionais aos credores internacionais, nomeadamente sobre o combate à evasão fiscal. As reuniões técnicas entre a Grécia, a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o FMI vão começar esta quarta-feira, em Bruxelas e Atenas. A decisão foi tomada na reunião do Eurogrupo, de onde sairam também as críticas do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dusselbloem, ao tempo que já se perdeu desde que foi alcançado um acordo.

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.