sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras insiste perante Merkel em iniciar "diálogo" sobre reparações de guerra

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, insistiu hoje perante a chanceler alemã Angela Merkel na necessidade de iniciar um "diálogo" sobre as compensações que o seu país reclama devido à ocupação nazi entre 1941 e 1944. 

EPA

"Temos de superar em conjunto as sombras do passado", afirmou o líder do partido da esquerda radical Syriza, que lidera a coligação no poder em Atenas, durante a conferência de imprensa conjunta após a primeira cimeira bilateral entre os dois chefes de governo, que hoje decorreu em Berlim. 

Tsipras assegurou que as pretensões do seu país não são prioritariamente de "tipo material", mas antes uma questão "moral e ética" e citou concretamente o crédito que a Grécia foi então forçada a conceder ao regime nazi e que nunca foi liquidado, justificados pelos "custos da ocupação". 

O primeiro-ministro grego recordou que estas reivindicações não são "novas" e foram aludidas pelos seus antecessores em diversas ocasiões, enquanto o Governo de Berlim considera a questão encerrada na perspetiva jurídica e política. 

No entanto, Tsipras separou a questão das reparações de guerra das atuais discussões sobre a dívida grega e os problemas de liquidez do seu país. 

As afirmações do primeiro-ministro grego seguem-se à proposta formulada no domingo pelo chefe da diplomacia de Atenas, Nikos Kotzias, sobre a formação de um "comité de sábios" para analisar esta questão, uma iniciativa de imediato rejeitada por responsáveis alemães. 

Merkel insistiu que esta questão está encerrada e recordou que a Alemanha "assume de forma muito séria" a sua responsabilidade pelas vítimas do nazismo "independente na sua nacionalidade". 

A questão das reparações de guerra divide Atenas e Berlim há décadas, mas agora assumiu nova atualidade após o novo parlamento grego ter aprovado a criação de uma comissão para avaliar essas exigências. 

A Alemanha considera o assunto encerrado devido aos acordos subscritos em 1953 em Londres com diversos países, e em 1990 com o Tratado "2+4" entre as duas Alemanhas e as potências vencedoras da II Guerra Mundial, e que possibilitou a reunificação do país. 

Atenas argumenta que os acordos do pós-guerra incluíam uma moratória que deveria ser revista até à assinatura do um Tratado de paz, que nunca chegou a ser concluído, e que a Grécia não esteve presente nos acordos de 1990. 






Lusa
  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59