sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras insiste perante Merkel em iniciar "diálogo" sobre reparações de guerra

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, insistiu hoje perante a chanceler alemã Angela Merkel na necessidade de iniciar um "diálogo" sobre as compensações que o seu país reclama devido à ocupação nazi entre 1941 e 1944. 

EPA

"Temos de superar em conjunto as sombras do passado", afirmou o líder do partido da esquerda radical Syriza, que lidera a coligação no poder em Atenas, durante a conferência de imprensa conjunta após a primeira cimeira bilateral entre os dois chefes de governo, que hoje decorreu em Berlim. 

Tsipras assegurou que as pretensões do seu país não são prioritariamente de "tipo material", mas antes uma questão "moral e ética" e citou concretamente o crédito que a Grécia foi então forçada a conceder ao regime nazi e que nunca foi liquidado, justificados pelos "custos da ocupação". 

O primeiro-ministro grego recordou que estas reivindicações não são "novas" e foram aludidas pelos seus antecessores em diversas ocasiões, enquanto o Governo de Berlim considera a questão encerrada na perspetiva jurídica e política. 

No entanto, Tsipras separou a questão das reparações de guerra das atuais discussões sobre a dívida grega e os problemas de liquidez do seu país. 

As afirmações do primeiro-ministro grego seguem-se à proposta formulada no domingo pelo chefe da diplomacia de Atenas, Nikos Kotzias, sobre a formação de um "comité de sábios" para analisar esta questão, uma iniciativa de imediato rejeitada por responsáveis alemães. 

Merkel insistiu que esta questão está encerrada e recordou que a Alemanha "assume de forma muito séria" a sua responsabilidade pelas vítimas do nazismo "independente na sua nacionalidade". 

A questão das reparações de guerra divide Atenas e Berlim há décadas, mas agora assumiu nova atualidade após o novo parlamento grego ter aprovado a criação de uma comissão para avaliar essas exigências. 

A Alemanha considera o assunto encerrado devido aos acordos subscritos em 1953 em Londres com diversos países, e em 1990 com o Tratado "2+4" entre as duas Alemanhas e as potências vencedoras da II Guerra Mundial, e que possibilitou a reunificação do país. 

Atenas argumenta que os acordos do pós-guerra incluíam uma moratória que deveria ser revista até à assinatura do um Tratado de paz, que nunca chegou a ser concluído, e que a Grécia não esteve presente nos acordos de 1990. 






Lusa
  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.