sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Negociações entre Grécia e credores interrompidas para celebração da Páscoa ortodoxa

As negociações entre o Governo grego e os credores estão interrompidas para as comemorações da Páscoa ortodoxa até a próxima semana, quando serão retomadas para tentar chegar a um entendimento antes do Eurogrupo de 24 de abril.

Celebração da Páscoa ortodoxa em Atenas

Celebração da Páscoa ortodoxa em Atenas

© Alkis Konstantinidis / Reuter

As celebrações da Páscoa na Igreja Ortodoxa, que acontecem mais tarde do que nas igrejas ocidentais porque usam o calendário juliano para definir a data, vão fazer parar o trabalho dos grupos técnicos que estão em Atenas e que recolhem os dados necessários para concretizar o plano de reformas.

Segundo a agência de notícias Efe, também não estão previstas reuniões a nível político, em Bruxelas, sendo esperado que as negociações retomem então na próxima terça-feira, de modo a que seja alcançado um primeiro entendimento antes da reunião informal dos ministros das Finanças da zona euro (Eurogrupo), em Riga, a 24 de abril.

Esta quarta-feira, reuniu-se em Bruxelas o grupo de trabalho do Eurogrupo, tendo o diário grego Kathimerini noticiado que os parceiros europeus fizeram um 'ultimato' de seis dias à Grécia para apresentar novas propostas em termos de finanças públicas, pensões, legislação laboral e privatizações.

Na quinta-feira, o porta-voz Comissão Europeia - que juntamente com o Banco Central Europeu, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Mecanismo Europeu de Estabilidade formam o agora chamado Grupo de Bruxelas - recusou comentar essa informação.

Atenas está desde fevereiro - quando foi prolongado o atual programa de resgate, até junho - em negociações com os credores oficiais sobre as reformas a adotar no país que permitam desbloquear ajuda financeira tão necessária aos cofres públicos helénicos.

O calendário está cada vez mais apertado, já que a lista tem de ficar fechada até final de abril e, até lá, há as comemorações da Páscoa ortodoxa e de 17 a 19 de abril os representantes das instituições juntam-se em Washington para a reunião da primavera do FMI.

Na semana passada a Grécia enviou para os credores uma nova proposta com medidas que levariam o Estado a terminar este ano com um excedente orçamental primário (sem juros da dívida) entre 3,1 e 3,9% do Produto Interno Bruto.

O novo pacote, prevê o Governo grego, poderia aumentar receitas até 6,1 mil milhões de euros, sobretudo em luta contra a evasão fiscal e combate à fraude, o que permitiria compensar as despesas adicionais de 1,1 mil milhões também inscritas. Neste caso, o destaque vai para a reposição do 13.º mês para as pensões mais baixas.

Nas privatizações, é dito que serão cumpridos os contratos acordados e que aquelas que estão já a decorrer vão ser concluídas, como a do Porto de Pireus, enquanto outras serão avaliadas caso a caso. 

No entanto, esta nova proposta está longe de agradar aos credores.

Na parte das finanças públicas, as instituições consideram as estimativas muito otimistas nas receitas e discordam da previsão de despesas.

Nas pensões, não é visto com bons olhos o restabelecer do mês extra para as pensões mais baixas, com um impacto orçamental de 600 milhões de euros, assim como o fim da regra de défice zero nas pensões complementares, como a 'troika' exigia e que levaria a novos cortes nas pensões.

Nas matérias laborais, o executivo continua pouco disposto em liberalizar mais os despedimentos, enquanto nas privatizações Atenas quer um modelo diferente, em que o Estado mantenha uma participação maioritária nas empresas a privatizar.

O Governo tem reiterado que não vai aplicar quaisquer medidas que possam agravar a recessão, como cortes de salários e pensões e despedimentos de funcionários públicos.

A Grécia, que não recebe qualquer apoio financeiro dos credores oficiais desde agosto passado, está a ficar com os cofres públicos vazios. 

Para que o país aceda aos fundos da última fatia do programa de resgate (de 7,2 mil milhões de euros) deverá ser necessário não só um acordo sobre as reformas, como a sua adoção pelo parlamento grego para as pôr em marcha.



Lusa
  • Sismo abala centro de Itália

    Mundo

    A capital da Itália foi esta manhã sacudida por três sismos em apenas uma hora, de entre 5,3 e 5,7 na escala de Richter, não havendo até ao momento registo de vítimas.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Bebé nasce na Ucrânia com ADN de três pais

    Mundo

    Nasceu a 5 de janeiro, na Ucrânia, uma menina filha de um casal infértil graças à ajuda de uma nova técnica de fertilização in vitro, que conta com a colaboração de uma terceira pessoa. De acordo com o britânico The Times, os médicos utilizaram pela primeira vez um método denominado transferência pronuclear. Esta não é, contudo, a primeira vez que nasce um bebé com ADN de três progenitores.

  • CIA desvenda segredos de quase 50 anos de História

    Mundo

    A CIA publicou online quase 12 milhões de documentos confidenciais. Basta uma ligação à Internet para navegar por entre 50 anos de relatórios outrora secretos. Entre os milhões de páginas, estão documentos sobre um eventual assassínio de Fidel Castro, detalhes sobre os crimes de guerra nazis, relatórios sobre avistamentos de OVNI e um estudo sobre telepatia denominado "Projeto Star Gate".