sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Ministro das Finanças alemão confia que Grécia não sairá da zona euro

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaüble, considerou hoje que uma saída da Grécia da zona euro é pouco provável, mas que os mercados financeiros já integraram essa eventualidade.

© Joshua Roberts / Reuters

"Estou confiante que isso não aconteça", disse Schaüble num colóquio em Nova Iorque, sobre uma possível saída da Grécia da zona euro, sublinhando que de momento "não há contágio" da crise grega e que os mercados dizem que estão preparados para o que vier a acontecer.

"Até agora não temos solução e não creio que tenhamos na próxima semana", afirmou o ministro, ainda a propósito da crise grega.

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se no próximo dia 24, em Riga, na Letónia. Segundo a imprensa alemã, terão fixado até 20 de abril para se chegar a acordo com Atenas quanto ao novo programa de reformas que deve ser adotado em troca da última tranche do empréstimo internacional concedido à Grécia.

Schaüble reconheceu que a situação é "bastante difícil para a Grécia" e considerou que o novo governo liderado pelo Syriza "destruiu" os pressupostos em que se baseava a recuperação do país.

"Não é preciso mais dinheiro", afirmou em relação ao programa de assistência financeira à Grécia, "precisamos de mais reformas", acrescentou, apontando como principal problema da Grécia não a dívida, mas "a falta de competitividade".

Lusa
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15