sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Plano de reformas grego analisado hoje em Paris

O plano de reformas grego vai ser discutido hoje em Paris pelo "Grupo de Bruxelas" numa altura em que não existe qualquer perspetiva sobre decisões para desbloquear o financiamento de que Atenas necessita com urgência. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Alkis Konstantinidis / Reuters

O "Grupo de Bruxelas", formado pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), vai discutir com as autoridades gregas o plano de reformas que não convence os credores internacionais. 

A Comissão Europeia já fez saber que "não está satisfeita" com o nível dos progressos alcançado até ao momento acrescentando que falta um acordo a nível técnico para, "pelo menos", conseguir dos credores a autorização para o plano de reformas que deve vir a ser apresentado na próxima reunião dos países da zona euro, agendado para sexta-feira em Riga.

Por outro lado, em Washington decorre a reunião de primavera do Banco Mundial e do FMI com a presença do ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, e os homólogos europeus assim como os líderes das instituições credoras.

Na capital norte-americana encontram-se igualmente o comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, assim como os presidentes do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem e do BCE, Mario Draghi com quem Varoufakis se reuniu na sexta-feira. 

Dijesselbloem não tem previsto qualquer encontro com o ministro grego, segundo as fontes da EFE, apesar de admitirem que possa realizar-se uma reunião à margem da cimeira.

O ministro das Finanças alemãs, Wolfgang Schauble, como Moscovici, já demonstraram uma falta de perspetivas sobre um acordo entre Atenas e os parceiros da zona euro, em Riga e que consideram pouco realista uma mudança de posições em apenas uma semana.

Schauble disse na quarta-feira em Nova Iorque que "ninguém espera que se alcance uma solução" no dia 24 de abril e Moscovici afirmou ao Financial Times que as negociações com Atenas não foram demasiado efetivas até ao momento.

Moscovici disse mesmo que a reunião decisiva vai ser, provavelmente, o encontro agendado para o dia 11 de maio em Bruxelas e não o encontro da Letónia.

Hoje, a revista alemã Der Spiegel refere que o governo grego prevê assinar com a Rússia um acordo na área da energia já na próxima semana o que pode garantir a Atenas entre três mil a cinco mil milhões de euros de pagamentos antecipados.

A publicação que cita fontes da cúpula do Syriza, partido no poder na Grécia, refere que o acordo com Moscovo vai ser assinado na terça-feira e vai permitir a Atenas liquidez a curto prazo. 

Até ao momento a notícia ainda não foi comentada.


Lusa
  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05