sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Grécia não vai ser capaz de pagar em junho os 1.600 M€ ao FMI

O ministro do Interior grego, Nikos Vutsis, disse hoje que a Grécia não será capaz de pagar ao Fundo Monetário Internacional (FMI) o empréstimo de 1.600 milhões de euros que vence em junho.

O mercado está em ponto morto e as injeções de liquidez não permitem reanimá-lo, segundo o estudo. (Arquivo)

O mercado está em ponto morto e as injeções de liquidez não permitem reanimá-lo, segundo o estudo. (Arquivo)

© Kostas Tsironis / Reuters

A Grécia acordou pagar em quatro tranches 1.600 milhões de euros de 5 a 19 de junho mas, segundo Nikos Vutsis, "este dinheiro não será pago, porque não há. Isso é conhecido e discutido com base num otimismo cauteloso de que haverá acordo que permita ao país respirar".

Em entrevista à estação de televisão privada Mega, o ministro reconheceu que existem divergências sobre algumas questões e que, por isso, neste momento não será possível chegar a um acordo. No entanto, ressalvou que a existência de um pacto irá "incentivar o país".

O ministro disse ainda que o calendário das negociações se poderá estender até o final de junho ou início de julho.

Ainda de acordo com a televisão "Mega", o primeiro-ministro Alexis Tsipras transferiu para o secretário do Tesouro americano, Jack Lew, a incapacidade do governo em lidar com os pagamentos do FMI devido em junho.

No final de fevereiro, os parceiros da zona do euro concordaram com a Grécia estender até junho o segundo resgate para chegar a acordo sobre as reformas que o país deve fazer para poder continuar a receber financiamento.

A oposição a cortes nos salários e pensões, a liberalização total do mercado de trabalho e a reforma tributária são alguns dos temas que geram grande desacordo com as instituições (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI).


Lusa
  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20