sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Grécia não vai ser capaz de pagar em junho os 1.600 M€ ao FMI

O ministro do Interior grego, Nikos Vutsis, disse hoje que a Grécia não será capaz de pagar ao Fundo Monetário Internacional (FMI) o empréstimo de 1.600 milhões de euros que vence em junho.

O mercado está em ponto morto e as injeções de liquidez não permitem reanimá-lo, segundo o estudo. (Arquivo)

O mercado está em ponto morto e as injeções de liquidez não permitem reanimá-lo, segundo o estudo. (Arquivo)

© Kostas Tsironis / Reuters

A Grécia acordou pagar em quatro tranches 1.600 milhões de euros de 5 a 19 de junho mas, segundo Nikos Vutsis, "este dinheiro não será pago, porque não há. Isso é conhecido e discutido com base num otimismo cauteloso de que haverá acordo que permita ao país respirar".

Em entrevista à estação de televisão privada Mega, o ministro reconheceu que existem divergências sobre algumas questões e que, por isso, neste momento não será possível chegar a um acordo. No entanto, ressalvou que a existência de um pacto irá "incentivar o país".

O ministro disse ainda que o calendário das negociações se poderá estender até o final de junho ou início de julho.

Ainda de acordo com a televisão "Mega", o primeiro-ministro Alexis Tsipras transferiu para o secretário do Tesouro americano, Jack Lew, a incapacidade do governo em lidar com os pagamentos do FMI devido em junho.

No final de fevereiro, os parceiros da zona do euro concordaram com a Grécia estender até junho o segundo resgate para chegar a acordo sobre as reformas que o país deve fazer para poder continuar a receber financiamento.

A oposição a cortes nos salários e pensões, a liberalização total do mercado de trabalho e a reforma tributária são alguns dos temas que geram grande desacordo com as instituições (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI).


Lusa
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".