sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Comissão Europeia quer acordo com Grécia esta semana

O primeiro vice-presidente da Comissão Europeia disse hoje ser impossível arrastar mais o tema da Grécia e que é preciso um acordo esta semana, após o qual Bruxelas disponibilizará ao país 35 mil milhões de euros nos próximos anos.

© POOL New / Reuters

"Devemos encontrar um acordo esta semana sobre a Grécia. Temos de ir diretamente ao ponto, não há mais prolongamento possível. Temos a exigência de responder aos gregos que sofrem", disse Frans Timmermans, hoje ao início da tarde, perante o Parlamento Europeu, em Bruxelas.

Para o número dois da Comissão Europeia, é preciso que "todos" se "comprometam" em dar à Grécia possibilidades de voltar a crescer através de um entendimento "razoável" para ambas as partes.

O político holandês reafirmou ainda o que já tinha anunciado esta semana o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, de que quando houver um acordo o executivo comunitário irá dar os passos necessários para fazer chegar 35 mil milhões de euros do orçamento europeu em financiamento à economia grega.

Esse dinheiro deverá ir até 2020 e destina-se a financiar projetos que a Comissão considere que irão ajudar à revitalização económica do país que sofreu uma importante queda da economia desde 2010, quando pediu o primeiro resgate, e cuja taxa de desemprego ronda os 26%.

Hoje, ao final da tarde, realiza-se mais um Eurogrupo, um encontro que se prevê longo com os ministros das Finanças da zona euro a discutirem um eventual compromisso com base na apreciação mais aprofundada levada a cabo desde segunda-feira pelas instituições envolvidas nas negociações, Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional.

Depois de no início da semana, as instituições terem considerado as novas propostas gregas uma "boa base" de trabalho e vários líderes europeus terem indicado que um acordo podia acontecer esta semana, hoje o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, já veio lamentar a "repetida rejeição" de medidas propostas por Atenas, apontando que tal "nunca aconteceu com Irlanda nem Portugal" e acrescentando que essa atitude pode ser interpretada como a falta de vontade em ser alcançado um compromisso.

Segundo vários meios de comunicação social, os credores querem mais cortes nas pensões e mais aumentos do IVA (imposto sobre o consumo) e uma subida menor no imposto proposto pelo Governo helénico sobre as grandes empresas.

O acordo com Atenas em torno do programa de assistência financeira é necessário para levar ao desbloqueamento da última tranche do resgate, de 7,2 mil milhões de euros - essencial para as autoridades gregas conseguirem honrar atempadamente os seus compromissos.

Depois do Eurogrupo de hoje, o tema Grécia também será discutido ao nível de líderes na cimeira de chefes de Estado e de Governo agendada para quinta e sexta-feira, também na capital belga.


Lusa
  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.