sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Comissão Europeia quer acordo com Grécia esta semana

O primeiro vice-presidente da Comissão Europeia disse hoje ser impossível arrastar mais o tema da Grécia e que é preciso um acordo esta semana, após o qual Bruxelas disponibilizará ao país 35 mil milhões de euros nos próximos anos.

© POOL New / Reuters

"Devemos encontrar um acordo esta semana sobre a Grécia. Temos de ir diretamente ao ponto, não há mais prolongamento possível. Temos a exigência de responder aos gregos que sofrem", disse Frans Timmermans, hoje ao início da tarde, perante o Parlamento Europeu, em Bruxelas.

Para o número dois da Comissão Europeia, é preciso que "todos" se "comprometam" em dar à Grécia possibilidades de voltar a crescer através de um entendimento "razoável" para ambas as partes.

O político holandês reafirmou ainda o que já tinha anunciado esta semana o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, de que quando houver um acordo o executivo comunitário irá dar os passos necessários para fazer chegar 35 mil milhões de euros do orçamento europeu em financiamento à economia grega.

Esse dinheiro deverá ir até 2020 e destina-se a financiar projetos que a Comissão considere que irão ajudar à revitalização económica do país que sofreu uma importante queda da economia desde 2010, quando pediu o primeiro resgate, e cuja taxa de desemprego ronda os 26%.

Hoje, ao final da tarde, realiza-se mais um Eurogrupo, um encontro que se prevê longo com os ministros das Finanças da zona euro a discutirem um eventual compromisso com base na apreciação mais aprofundada levada a cabo desde segunda-feira pelas instituições envolvidas nas negociações, Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional.

Depois de no início da semana, as instituições terem considerado as novas propostas gregas uma "boa base" de trabalho e vários líderes europeus terem indicado que um acordo podia acontecer esta semana, hoje o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, já veio lamentar a "repetida rejeição" de medidas propostas por Atenas, apontando que tal "nunca aconteceu com Irlanda nem Portugal" e acrescentando que essa atitude pode ser interpretada como a falta de vontade em ser alcançado um compromisso.

Segundo vários meios de comunicação social, os credores querem mais cortes nas pensões e mais aumentos do IVA (imposto sobre o consumo) e uma subida menor no imposto proposto pelo Governo helénico sobre as grandes empresas.

O acordo com Atenas em torno do programa de assistência financeira é necessário para levar ao desbloqueamento da última tranche do resgate, de 7,2 mil milhões de euros - essencial para as autoridades gregas conseguirem honrar atempadamente os seus compromissos.

Depois do Eurogrupo de hoje, o tema Grécia também será discutido ao nível de líderes na cimeira de chefes de Estado e de Governo agendada para quinta e sexta-feira, também na capital belga.


Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.