sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Contraproposta dos credores rejeitada por Tsipras

Os credores internacionais da Grécia apresentaram hoje a Atenas uma contraproposta, já rejeitada pelo Governo, insistindo em cortes mais acentuados nas pensões e num maior aumento do IVA, mas menores subidas nos impostos sobre os lucros das empresas.

ORESTIS PANAGIOTOU

A Comissão Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) apresentaram hoje uma contraproposta a Atenas, que foi inicialmente divulgado pelo jornal norte-americano Wall Street Journal (WSJ) e entretanto partilhado pelos meios de comunicação gregos.

Segundo o documento, os credores consideram que as medidas propostas pelo Governo liderado por Alexis Tsipras no que diz respeito ao imposto sobre o consumo (IVA), às pensões e aos cortes na defesa não são suficientes.

Sobre o IVA, Atenas sugeria um aumento de receita que significasse 0,74% do PIB, mantendo a taxa do imposto inferior a 23% em alguns produtos e serviços. Os credores sugerem um aumento de receita que represente 1% do PIB, mantendo as taxas reduzidas apenas para medicamentos, livros e teatro (6%), para alimentos não processados, energia, água e hotéis (13%). 

Nas pensões, Atenas sugeria que as poupanças valessem 1,05% do PIB a partir do próximo ano, mas as instituições sugerem poupanças entre 0,25% e 0,5% já este ano, e de 1% a partir do próximo ano.

FMI, Bruxelas e BCE exigem também que a idade de reforma seja aumentada gradualmente para atingir os 67 anos em 2022 (três anos mais cedo que pretendia Atenas), uma redução das reformas antecipadas a partir de julho (e não no início de 2016) e para todos os trabalhadores, excecionando apenas profissões de risco e mães com filhos com deficiências (abolindo "outras exceções" que o Governo grego pretendia manter), e congelar as pensões até 2021.

As instituições defendem ainda um aumento de 4% para 6% nas contribuições dos reformados para o sistema de saúde, ao contrário dos 5% propostos pelo Governo grego, e a eliminação gradual do subsídio para os pensionistas mais pobres (o 'Ekas'), enquanto os credores defendem que a contribuição seja de 6% e que esse subsídio seja eliminado imediatamente. 

Por outro lado, os credores deixam cair o aumento da contribuição dos trabalhadores para a Segurança Social de 3% para 3,5% proposta pelo Governo, mas pretendem que sejam eliminadas todas as exceções financiadas pelo Estado a partir de julho.

Na defesa, os credores sugerem um corte na despesa duas vezes superior a Atenas, de 400 milhões de euros em 2016.

Por outro lado, Bruxelas, BCE e FMI defendem um aumento inferior do imposto sobre os rendimentos das empresas do que o proposto por Atenas, sugerindo que aumente de 26% para 28% e não para 29%.

Os credores sugerem também que não seja implementada a taxa de 12% sobre os lucros das empresas acima de 500.000 euros proposta pela Grécia, tal como os impostos sobre as receitas brutas provenientes do jogo.


Lusa
  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.