sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Grécia ficará pior com o "não" no referendo, avisa presidente do Eurogrupo

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, disse hoje que a situação da crise grega "está a degradar-se" e arrisca-se a ser ainda mais difícil se os gregos votarem "não" no referendo de domingo.

© Yves Herman / Reuters

"A situação está a degradar-se devido ao comportamento do Governo grego", declarou Jeroen Dijsselbloem, ministro das Finanças da Holanda, durante um debate no Parlamento holandês. 

Segundo o presidente do Eurogrupo, Atenas sugere aos seus cidadãos que um 'não' no referendo de domingo permitirá beneficiar de um pacote de reformas e medidas orçamentais menos duras. "Isto não é verdade", insistiu Dijsselbloem.

"Em caso de 'não' (...), isso tornar-se-á extremamente difícil para a Grécia", adiantou, afirmando que "os problemas económicos não serão senão mais graves e um (novo) programa de ajuda mais difícil de ser adotado". 

Os gregos vão pronunciar-se no domingo sobre a última versão de uma proposta de acordo dos credores da Grécia, que prevê uma série de reformas e de medidas orçamentais em troca da continuação do apoio financeiro ao país.

O Governo liderado pelo partido de esquerda radical Syriza apelou aos gregos para rejeitarem este texto porque alega que se traduzirá no prolongamento da austeridade e não soluciona a longo prazo o problema da pesada dívida pública da Grécia. 

Numerosos responsáveis europeus e determinados observadores afirmam que uma vitória do 'não' poderia provocar a saída da Grécia da zona euro, que seria um acontecimento inédito na história da união monetária e que aparenta ser um salto para o desconhecido para as instituições. 

Mas o Governo grego assegura que negociará para permanecer no euro se o 'não' vencer no referendo. 

"Se o 'não' vencer como nós recomendamos ao povo grego, recomeçaremos imediatamente a negociar e, acreditem em mim, haverá um acordo sobre bases diferentes das apresentadas pelas instituições" (Comissão Europeia, União Europeia, Fundo Monetário Internacional), afirmou hoje o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis. 

Varoufakis disse ainda que as propostas dos credores tinham sido apresentadas na semana passada "sob a forma de 'pegar ou largar'" e assegurou que a votação no domingo não é sobre a permanência da Grécia na união monetária. 

"Nós queremos desesperadamente ficar no euro, mesmo criticando o seu quadro institucional", disse. 

 

Lusa

  • Varoufakis diz que se demite no caso do "sim" vencer
    0:53

    Economia

    O ministro das Finanças grego vai demitir-se do cargo, caso o "sim" à troika vença o referendo. Numa entrevista à Bloomberg, Yanis Varoufakis foi claro e avisou que não está disposto a assinar o acordo. Garante que continuará a apoiar o Governo, mas no Parlamento, como deputado. Apesar do aviso, o ministro diz estar confiante na vitória do "não" às propostas dos credores.

  • Crise e impasse afastam turistas de Atenas
    2:40

    Crise na Grécia

    O turismo é um setor fundamental para a economia da Grécia. Só o ano passado visitaram este país cerca de 22 milhões de turistas. Mas a crise e as limitações aos levantamentos bancários estão a afastar de Atenas muitos turistas, este verão. A reportagem é dos enviados especiais à Grécia, Anselmo Crespo e Rodrigo Lobo.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.