sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Grécia ficará pior com o "não" no referendo, avisa presidente do Eurogrupo

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, disse hoje que a situação da crise grega "está a degradar-se" e arrisca-se a ser ainda mais difícil se os gregos votarem "não" no referendo de domingo.

© Yves Herman / Reuters

"A situação está a degradar-se devido ao comportamento do Governo grego", declarou Jeroen Dijsselbloem, ministro das Finanças da Holanda, durante um debate no Parlamento holandês. 

Segundo o presidente do Eurogrupo, Atenas sugere aos seus cidadãos que um 'não' no referendo de domingo permitirá beneficiar de um pacote de reformas e medidas orçamentais menos duras. "Isto não é verdade", insistiu Dijsselbloem.

"Em caso de 'não' (...), isso tornar-se-á extremamente difícil para a Grécia", adiantou, afirmando que "os problemas económicos não serão senão mais graves e um (novo) programa de ajuda mais difícil de ser adotado". 

Os gregos vão pronunciar-se no domingo sobre a última versão de uma proposta de acordo dos credores da Grécia, que prevê uma série de reformas e de medidas orçamentais em troca da continuação do apoio financeiro ao país.

O Governo liderado pelo partido de esquerda radical Syriza apelou aos gregos para rejeitarem este texto porque alega que se traduzirá no prolongamento da austeridade e não soluciona a longo prazo o problema da pesada dívida pública da Grécia. 

Numerosos responsáveis europeus e determinados observadores afirmam que uma vitória do 'não' poderia provocar a saída da Grécia da zona euro, que seria um acontecimento inédito na história da união monetária e que aparenta ser um salto para o desconhecido para as instituições. 

Mas o Governo grego assegura que negociará para permanecer no euro se o 'não' vencer no referendo. 

"Se o 'não' vencer como nós recomendamos ao povo grego, recomeçaremos imediatamente a negociar e, acreditem em mim, haverá um acordo sobre bases diferentes das apresentadas pelas instituições" (Comissão Europeia, União Europeia, Fundo Monetário Internacional), afirmou hoje o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis. 

Varoufakis disse ainda que as propostas dos credores tinham sido apresentadas na semana passada "sob a forma de 'pegar ou largar'" e assegurou que a votação no domingo não é sobre a permanência da Grécia na união monetária. 

"Nós queremos desesperadamente ficar no euro, mesmo criticando o seu quadro institucional", disse. 

 

Lusa

  • Varoufakis diz que se demite no caso do "sim" vencer
    0:53

    Economia

    O ministro das Finanças grego vai demitir-se do cargo, caso o "sim" à troika vença o referendo. Numa entrevista à Bloomberg, Yanis Varoufakis foi claro e avisou que não está disposto a assinar o acordo. Garante que continuará a apoiar o Governo, mas no Parlamento, como deputado. Apesar do aviso, o ministro diz estar confiante na vitória do "não" às propostas dos credores.

  • Crise e impasse afastam turistas de Atenas
    2:40

    Crise na Grécia

    O turismo é um setor fundamental para a economia da Grécia. Só o ano passado visitaram este país cerca de 22 milhões de turistas. Mas a crise e as limitações aos levantamentos bancários estão a afastar de Atenas muitos turistas, este verão. A reportagem é dos enviados especiais à Grécia, Anselmo Crespo e Rodrigo Lobo.

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Milhares de brasileiros protestam na Praia de Copacabana contra Temer
    3:04
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40
  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.