sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Alexis Tsipras diz que não acredita no acordo que assinou

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, reconheceu hoje à noite que o acordo com os credores para um terceiro programa de ajuda financeira é um texto em que não acredita mas que assinou "para evitar um desastre no país".

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

"Assumo as minhas responsabilidades por qualquer erro que tenha cometido, assumo a responsabilidade por um texto em que não acredito, mas que assinei para evitar um desastre no país", disse Tsipras numa entrevista concedida à televisão pública ERT.

Estas declarações do chefe do executivo grego surgem na véspera da votação crucial no parlamento sobre o acordo anunciado na segunda-feira em Bruxelas e muito mal recebido por uma parte do seu partido, o Syriza.

Tsipras fez igualmente saber que não tenciona convocar eleições gerais antecipadas pelo menos até que haja um acordo sólido com os credores.

"Não tenho razões para convocar eleições, dependerá do que se passar no meu partido, no nosso parceiro [de Governo]", sustentou, acrescentando que a sua prioridade é "conseguir um programa" e, a partir daí, terá "tempo para conflitos internos e com a oposição".

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.