sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

FMI esperançado em que Zona Euro alivie dívida grega

A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, confessou esta quarta-feira que tem "esperança" de que os países da Zona Euro aliviem a dívida da Grécia, "de uma maneira ou de outra", como a sua instituição reclama.

"O que lhes temos dito (aos europeus) é que seja qual for a forma (...) é preciso encontrar uma forma de aliviar o fardo e permitir ao país demonstrar que a sua dívida pode regressar a uma trajetória viável", disse a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde.

"O que lhes temos dito (aos europeus) é que seja qual for a forma (...) é preciso encontrar uma forma de aliviar o fardo e permitir ao país demonstrar que a sua dívida pode regressar a uma trajetória viável", disse a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde.

© Eric Vidal / Reuters

"Tenho alguma esperança porque nas últimas horas tem havido um movimento favorável a uma reestruturação da dívida", declarou Lagarde, segundo um extrato de uma entrevista que deu à televisão CNN International.

Num documento publicado na terça-feira, o FMI considerou a dívida grega "totalmente inviável" e assegurou que só poderia continuar a participar na assistência financeira à Grécia se os europeus tomassem vastas e profundas medidas de alívio.

O pré-acordo concluído na segunda-feira entre a Grécia e os seus credores sobre um possível plano de assistência de 86 mil milhões de euros limitou-se a indicar que poderiam ser tomadas "medidas adicionais" sobre a dívida.

"O que lhes temos dito (aos europeus) é que seja qual for a forma (...) é preciso encontrar uma forma de aliviar o fardo e permitir ao país demonstrar que a sua dívida pode regressar a uma trajetória viável", desenvolveu Lagarde.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, reforçou hoje esta abordagem, ao declarar que a dívida grega deveria ser "aliviada", por exemplo através do reescalonamento dos reembolsos ou da criação de períodos de carência nestes.

Um dos cenários admitidos pelo FMI no seu relatório contempla o perdão puro e simples de parte da dívida grega, hipótese categoricamente recusada designadamente pela Alemanha.

No documento divulgado pelo FMI na terça-feira considera-se que a dívida pública grega se tornou "altamente insustentável", que pode chegar a um pico de 200% do produto interno bruto "nos próximos dois anos", e que só poderá ser paga "através de medidas de alívio da dívida que vão muito além do que a Europa esteve disposta a fazer até agora".

Entre as medidas propostas pelo FMI está a extensão das maturidades, com um período de graça de pelo menos 30 anos, um corte direto na dívida ('haircut') ou transferências anuais explícitas para o orçamento grego.

O mesmo documento admitia ainda que a Grécia tinha novas necessidades de financiamento, que podiam significar 50 mil milhões de euros entre outubro de 2015 até ao final de 2018, requerendo "novo dinheiro europeu" de pelo menos 36 mil milhões de euros durante três anos.

Lusa

  • Dívida da Grécia é "totalmente insustentável", alerta FMI
    1:55

    Economia

    O Fundo Monetário Internacional diz que a dívida grega é "totalmente insustentável". O FMI defende que a zona euro deve deve ir "muito mais longe" e poderá mesmo ter de perdoar a dívida de Atenas. Já primeiro-ministro grego assegura que não de demite nem irá fugir às responsabilidades mas diz que não acredita no acordo assinado com os credores.

  • Passos diz que não faz sentido falar em perdão da dívida grega
    0:24

    Crise na Grécia

    O primeiro-ministro diz que não faz sentido nenhum falar num perdão de dívida à Grécia, respondendo ao FMI, que defendeu que a dívida grega é insustentável e que, no pior dos cenários, tem de ser perdoada. Passos Coelho sublinha que a decisão dos líderes europeus foi de emprestar mais dinheiro ao país e que, por isso, é absurdo perdoar para depois voltar a emprestar.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.