sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Assistência à Grécia poderá estar em causa se FMI rejeitar participar

© John Kolesidis / Reuters

O diretor-geral do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, admitiu esta segunda-feira que as instituições europeias não aprovarão o desembolso da próxima 'tranche' do programa de assistência à Grécia se o Fundo Monetário Internacional (FMI) rejeitar participar no resgate.

"Essa é a minha hipótese de trabalho. Não porque seja a minha condição, mas porque os nossos Estados-membros assim o entendem. Esse é o acordo institucional a que chegámos no passado. Essa é a minha hipótese de trabalho", afirmou Regling aos jornalistas quando questionado sobre se a participação do FMI era uma condição para aprovar o próximo desembolso à Grécia.

O FMI vai anunciar em 06 de fevereiro se participa no resgate à Grécia, face ao qual agora só proporciona apoio técnico aos credores europeus - Comissão Europeia, Banco Central Europeu e MEE -, mas os Estados -membros, nomeadamente a Alemanha, que conta com o apoio de Bruxelas, insistem que a instituição deve participar no resgate.

Nesta decisão, o Fundo terá em conta a análise de sustentabilidade da dívida helénica que considera ser "altamente insustentável", o que contraria a posição do MEE, que entende que esta "pode ser gerível".

Neste sentido, Regling lembrou que estas preocupações "não são novas" e que a posição do MEE é "clara" quanto a continuar o programa com a participação do FMI, não porque necessitem do seu apoio financeiro, considerando que o MEE o pode proporcionar, mas porque esse foi o acordo entre as instituições "e não há razão para mudá-lo agora".

O diretor-geral do MEE assumiu que o deixa "muito nervoso" a possibilidade de o FMI recusar participar no resgate, "porque isto criaria sérios problemas em alguns países", e assegurou que o presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças holandês, Jeroen Dijsselbloem, bem como as instituições europeias, "estão a trabalhar" para que o FMI participe na próxima reunião do Eurogrupo.

Questionado sobre se as instituições europeias têm um "plano B" caso o FMI rejeite participar no resgate à Grécia, Regling respondeu negativamente.

O responsável antecipou que as instituições europeias não terão de desembolsar os 86.000 milhões de euros previstos no terceiro resgate, uma vez que, quer o crescimento, quer o desempenho orçamental do país foram "melhores do que o esperado" e a banca "provavelmente necessitará de menos 20.000 milhões de euros que o previsto".

Na sexta-feira, foi divulgado um relatório segundo o qual o FMI considera a situação da dívida grega "insustentável" e "explosiva" a longo prazo e apela à zona euro para propor medidas de alívio "mais credíveis".

Lusa

  • FMI diz que a dívida grega é "explosiva"

    Mundo

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) considera a situação da dívida grega "insustentável" e "explosiva" a longo prazo e apela à zona euro para propor medidas de alívio "mais credíveis", indica um relatório citado esta quinta-feira pela AFP.

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.