sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Assistência à Grécia poderá estar em causa se FMI rejeitar participar

© John Kolesidis / Reuters

O diretor-geral do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, admitiu esta segunda-feira que as instituições europeias não aprovarão o desembolso da próxima 'tranche' do programa de assistência à Grécia se o Fundo Monetário Internacional (FMI) rejeitar participar no resgate.

"Essa é a minha hipótese de trabalho. Não porque seja a minha condição, mas porque os nossos Estados-membros assim o entendem. Esse é o acordo institucional a que chegámos no passado. Essa é a minha hipótese de trabalho", afirmou Regling aos jornalistas quando questionado sobre se a participação do FMI era uma condição para aprovar o próximo desembolso à Grécia.

O FMI vai anunciar em 06 de fevereiro se participa no resgate à Grécia, face ao qual agora só proporciona apoio técnico aos credores europeus - Comissão Europeia, Banco Central Europeu e MEE -, mas os Estados -membros, nomeadamente a Alemanha, que conta com o apoio de Bruxelas, insistem que a instituição deve participar no resgate.

Nesta decisão, o Fundo terá em conta a análise de sustentabilidade da dívida helénica que considera ser "altamente insustentável", o que contraria a posição do MEE, que entende que esta "pode ser gerível".

Neste sentido, Regling lembrou que estas preocupações "não são novas" e que a posição do MEE é "clara" quanto a continuar o programa com a participação do FMI, não porque necessitem do seu apoio financeiro, considerando que o MEE o pode proporcionar, mas porque esse foi o acordo entre as instituições "e não há razão para mudá-lo agora".

O diretor-geral do MEE assumiu que o deixa "muito nervoso" a possibilidade de o FMI recusar participar no resgate, "porque isto criaria sérios problemas em alguns países", e assegurou que o presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças holandês, Jeroen Dijsselbloem, bem como as instituições europeias, "estão a trabalhar" para que o FMI participe na próxima reunião do Eurogrupo.

Questionado sobre se as instituições europeias têm um "plano B" caso o FMI rejeite participar no resgate à Grécia, Regling respondeu negativamente.

O responsável antecipou que as instituições europeias não terão de desembolsar os 86.000 milhões de euros previstos no terceiro resgate, uma vez que, quer o crescimento, quer o desempenho orçamental do país foram "melhores do que o esperado" e a banca "provavelmente necessitará de menos 20.000 milhões de euros que o previsto".

Na sexta-feira, foi divulgado um relatório segundo o qual o FMI considera a situação da dívida grega "insustentável" e "explosiva" a longo prazo e apela à zona euro para propor medidas de alívio "mais credíveis".

Lusa

  • FMI diz que a dívida grega é "explosiva"

    Mundo

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) considera a situação da dívida grega "insustentável" e "explosiva" a longo prazo e apela à zona euro para propor medidas de alívio "mais credíveis", indica um relatório citado esta quinta-feira pela AFP.

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.