sicnot

Perfil

Guterres na ONU

"Nestas guerras não há vencedores, todos perdem"

"Nestas guerras não há vencedores, todos perdem"

António Guterres é desde hoje, oficialmente, secretário-geral da ONU. Na primeira mensagem enquanto líder das Nações Unidas, Guterres lembrou as vitimas das guerras por todo o mundo e fez um apelo à paz.

"Façamos de 2017 um ano de paz", instou o antigo primeiro-ministro português e ex-Alto Comissá rio das Nações Unidas para os Refugiados, na sua primeira mensagem como secretário-geral da ONU, intitulada "Apelo à paz".

Realçando que o compromisso para com a paz é de "hoje e todos os dias" e deve ser um "princípio orientador", Guterres confessa que é, "sobretudo, uma pergunta" que "assalta a consciência" e diz que se interroga sobre "como ajudar os milhões de seres humanos vítimas de conflitos e que sofrem enormemente em guerras que parecem não ter fim?".

Observando que na guerra "não há vencedores; todos perdem", Guterres criticou o gasto de "biliões de dólares na destruição de sociedades e economias, alimentando ciclos de desconfiança e medo que podem perpetuar-se por gerações".

O líder da maior organização do mundo nos próximos cinco anos lembrou a ameaça do terrorismo global e como "vastas regiões do planeta estão inteiramente desestabilizadas".

Para o novo secretário-geral das Nações Unidas, ultrapassar as "divergências políticas" exige solidariedade, compaixão, diálogo e respeito.

"Façamos de 2017 um ano em que todos - cidadãos, governos, dirigentes - procurem superar as suas diferenças", apelou António Guterres.

Com Lusa

  • "Teria coisas mais fáceis para fazer mas houve um impulso moral muito forte"
    28:37

    Guterres na ONU

    António Guterres entra em funções como secretário-geral da ONU a 1 de Janeiro. Em entrevista exclusiva à SIC, em Nova Iorque, Guterres classifica o conflito na Síria como um cancro à escala global. Manifesta ter orgulho em ser português e agradece o apoio de todas as forças politicas à sua candidatura. Guterres diz também que foi um impulso moral que o lançou nesta campanha, que culminou com o juramento da carta das Nações Unidas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.