sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Dois feridos em manifestações pró e contra Governo em Brasília

As manifestações pró e contra o Governo de Dilma Rousseff que decorrem hoje na capital brasileira resultaram em confrontos e houve dois feridos, que acabaram por ser detidos.

© Ricardo Moraes / Reuters

A assessoria da Polícia Militar do Distrito Federal, que avançou a informação à agência Lusa, acrescentou que se encontram no local cerca de 3.000 manifestantes contra o Governo e 300 a favor.

De acordo com a mesma fonte, a polícia teve de usar gás pimenta para separar os grupos.

Questionado sobre quantos agentes da Polícia Militar se encontram no local, a assessoria não soube confirmar, mas deu conta de "7.000 polícias em prontidão".

Estão ainda no centro de Brasília polícias afetos Palácio do Planalto e elementos do exército, acrescentou.

Segundo o portal G1, há protestos em 13 estados do país.

De acordo com a rádio CBN, os protestos na Avenida Paulista, uma das principais vias da cidade de São Paulo, mantêm-se desde quarta-feira à noite.

Há ainda 'panelaços' (bater em panelas) e buzinões em vários pontos do Brasil.

Nos estados do Ceará, Paraíba, Rio Grande do Sul foram registadas manifestações a favor do Governo de Dilma Rousseff.

No entanto, nos estados do Amapá, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina e São Paulo, além do Distrito Federal, há manifestações contra o Governo.

O secretário estadual da Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes (PSDB), foi à Avenida Paulista e acabou por ser expulso pelos manifestantes.

Uma jovem foi agredida na Avenida Paulista numa confusão que envolveu um alegado simpatizante do Governo de Dilma Rousseff.

Os protestos decorrem no dia em que o ex-Presidente Lula da Silva tomou posse como ministro da Casa Civil.

No entanto, um despacho judicial suspendeu hoje o ato de nomeação de Lula da Silva como ministro da Casa Civil, segundo informações do jornal Folha de S.Paulo.

A decisão é, segundo o jornal, do juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, que teria entendido que "há indícios de cometimento do crime de responsabilidade".

Em alguns locais, houve clima de festa após ter sido divulgada a notícia deste despacho judicial.

Lusa

  • O que é o caso Lava Jato
    1:43

    Crise no Brasil

    Na origem do caso que poderá levar Lula da Silva à cadeia está o processo de corrupção Lava Jato. Os suspeitos são empresários e políticos, num esquema de lavagem de dinheiro que terá movimentado cerca de 10 mil milhões de euros. Lula da Silva é suspeito de ter recebido um apartamento de luxo.

  • Juiz divulga escutas telefónicas polémicas entre Lula e Dilma
    2:20

    Crise no Brasil

    A contestação no Brasil subiu de tom depois da divulgação de uma conversa telefónica entre Dilma Rousseff e Lula da Silva. As escutas foram tornadas públicas ontem pelo juiz do processo Lava Jato e estão a ser interpretadas como um sinal de que Lula assumiu mesmo o cargo no Governo para escapar à prisão. Nas gravações divulgados pelo canal de televisão Globo News, Dilma diz a Lula que mandou alguém entregar o termo de posse do ex-Presidente como ministro para o caso de ser necessário. As conversas foram gravadas pela Polícia Federal com autorização judicial antes de Dilma anunciar publicamente que Lula seria ministro chefe da Casa Civil.

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.