sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Governo brasileiro pede "cautela" à imprensa

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, pediu hoje "cautela" à imprensa, numa altura em que considera existir uma "fúria descontrolada" e que "todos os limites da racionalidade foram ultrapassados" no Brasil.

© Sergio Moraes / Reuters

"Peço cautela extra aos agentes e faço um chamamento especial à imprensa, que leva a informação às casas e à rua", escreveu Edinho Silva, num artigo publicado na edição de hoje do diário Folha de São Paulo.

O governante alertou que "só o funcionamento equilibrado das instituições, com sensibilidade para a disposição das forças sociais, pode dar-nos uma chance real de superar os abismos atuais, dados pela radicalização que assola o debate político".

"Vivemos um momento em que todos os limites da racionalidade foram ultrapassados, impulsionado por pessoas que se movem por fúria descontrolada" e por "uma raiva que não poupa cores que não sejam as suas", frisou, falando num "clima de tensão extrema".

Edinho Silva advertiu que "as democracias se enfraquecem e morrem quando a intolerância escala níveis sucessivos de ódio e de vontade de exterminar o que lhe é diferente", acrescentando que "os sinais de alertas estão acesos e, por isso, é preciso cuidado máximo".

O governante lembrou as "lições do passado", dando o exemplo de 1964, ano em que "o vulcão da intolerância encontrou a predisposição militar para o golpe".

"Em 1954, o suicídio de Getúlio Vargas [ex-Presidente] nos ensinou que mesmo os gestos extremados de renúncia não cancelam ajustes de contas só contornáveis com a sabedoria essencial das forças que se confrontam", acrescentou.

O político defendeu também um "plano pactuado de reformas" que envolva as forças políticas e as instituições, avisando: "com um lado acreditando que pode jogar o outro para fora da embarcação, ou esmagá-lo, não chegaremos a lugar algum".

Edinho Silva acusou ainda a oposição, movida por "intolerância e o interesse meramente político", de querer impedir que o ex-Presidente Lula da Silva assuma o cargo de ministro da Casa Civil.

Lula da Silva foi nomeado ministro - embora nesta altura não ocupe o cargo devido a decisões judiciais - na passada quarta-feira, algo encarado por alguns como uma manobra política para permitir ao ex-chefe de Estado, investigado no âmbito da Operação Lava Jato, ter foro privilegiado na justiça.

A Operação Lava Jato investiga um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a petrolífera estatal Petrobras.

Lusa

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira