sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Governo brasileiro pede "cautela" à imprensa

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, pediu hoje "cautela" à imprensa, numa altura em que considera existir uma "fúria descontrolada" e que "todos os limites da racionalidade foram ultrapassados" no Brasil.

© Sergio Moraes / Reuters

"Peço cautela extra aos agentes e faço um chamamento especial à imprensa, que leva a informação às casas e à rua", escreveu Edinho Silva, num artigo publicado na edição de hoje do diário Folha de São Paulo.

O governante alertou que "só o funcionamento equilibrado das instituições, com sensibilidade para a disposição das forças sociais, pode dar-nos uma chance real de superar os abismos atuais, dados pela radicalização que assola o debate político".

"Vivemos um momento em que todos os limites da racionalidade foram ultrapassados, impulsionado por pessoas que se movem por fúria descontrolada" e por "uma raiva que não poupa cores que não sejam as suas", frisou, falando num "clima de tensão extrema".

Edinho Silva advertiu que "as democracias se enfraquecem e morrem quando a intolerância escala níveis sucessivos de ódio e de vontade de exterminar o que lhe é diferente", acrescentando que "os sinais de alertas estão acesos e, por isso, é preciso cuidado máximo".

O governante lembrou as "lições do passado", dando o exemplo de 1964, ano em que "o vulcão da intolerância encontrou a predisposição militar para o golpe".

"Em 1954, o suicídio de Getúlio Vargas [ex-Presidente] nos ensinou que mesmo os gestos extremados de renúncia não cancelam ajustes de contas só contornáveis com a sabedoria essencial das forças que se confrontam", acrescentou.

O político defendeu também um "plano pactuado de reformas" que envolva as forças políticas e as instituições, avisando: "com um lado acreditando que pode jogar o outro para fora da embarcação, ou esmagá-lo, não chegaremos a lugar algum".

Edinho Silva acusou ainda a oposição, movida por "intolerância e o interesse meramente político", de querer impedir que o ex-Presidente Lula da Silva assuma o cargo de ministro da Casa Civil.

Lula da Silva foi nomeado ministro - embora nesta altura não ocupe o cargo devido a decisões judiciais - na passada quarta-feira, algo encarado por alguns como uma manobra política para permitir ao ex-chefe de Estado, investigado no âmbito da Operação Lava Jato, ter foro privilegiado na justiça.

A Operação Lava Jato investiga um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a petrolífera estatal Petrobras.

Lusa

  • "O polvo está perfeitamente à rasca"
    1:45
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As denúncias do Benfica estiveram em análise ontem no programa O Dia Seguinte da SIC Notícias. Rui Gomes da Silva considera graves algumas das acusações feitas pelos encarnados. Já Paulo Andrade e José Guilherme Aguiar consideram que tudo não passa de uma manobra de diversão do Benfica.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26