sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Juiz Moro pede desculpa por divulgar escutas de Dilma e Lula

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela investigação Lava Jato, admitiu esta terça-feira que se equivocou ao autorizar a divulgação de escutas telefónicas entre a Presidente Dilma Rousseff e o seu antecessor, Lula da Silva.

O ponto alto da contestação surgiu com a nomeação do ex-Presidente Lula da Silva como ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff, para que tivesse imunidade jurídica e, segundo a imprensa brasileira, assim travar a investigação de que é alvo da Justiça através da Operação Lava Jato.

O ponto alto da contestação surgiu com a nomeação do ex-Presidente Lula da Silva como ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff, para que tivesse imunidade jurídica e, segundo a imprensa brasileira, assim travar a investigação de que é alvo da Justiça através da Operação Lava Jato.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O juiz referiu também que não teve intenção de "gerar um facto político-partidário, polémicas ou conflitos, algo estranho à função jurisdicional".

Sérgio Moro justificou a sua conduta afirmando que quis divulgar "condutas relevantes do ponto de vista jurídico e criminal" relativas a Lula da Silva, "que podem, eventualmente, caracterizar obstrução à Justiça ou tentativas de obstrução à Justiça".

Nos áudios divulgados, Dilma Rousseff diz a Lula da Silva que mandou alguém entregar o termo de posse do ex-Presidente como ministro da Casa Civil, para o caso de ser necessário.

As declarações foram interpretadas como um possível "combinação" para garantir a imunidade de Lula da Silva, mas a Presidente esclareceu que falavam na assinatura do seu antecessor para a tomada de posse, quando ainda não era certa a presença de Lula no evento.

Na semana passada, Teori Zavascki suspendeu a divulgação das escutas envolvendo a Presidente da República e deu um prazo de dez dias a Sérgio Moro para justificar a divulgação dos diálogos entre Dilma Rousseff e Lula da Silva.

Esta quinta-feira, o STF vai decidir se Sérgio Moro, responsável pela investigação da Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, continuará a conduzir os inquéritos contra o ex-Presidente.

Lusa

  • Dilma enfrenta mais um pedido de destituição
    2:29

    Mundo

    A Ordem dos Advogados do Brasil apresentou um novo pedido de destituição de Dilma Rousseff. Quanto à nomeação de Lula da Silva, o procurador-geral da República do Brasil não vê impedimento para que o antigo presidente brasileiro assuma o cargo de ministro da Casa Civil. Ainda assim entende que Lula deve continuar a ser investigado pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo Lava Jato.

  • 6 polícias feridos e 4 detidos em manifestação pela morte de português em Londres
    1:29

    Mundo

    A manifestação começou ainda durante a tarde deste domingo, na capital britânica e culminou em violência, com 6 polícias feridos, 4 pessoas detidas e a evacuação de uma das principais estações de transportes da zona leste da Londres. Os manifestantes acusam a polícia britânica de agressão na noite de 15 de junho, quando um português, de 25 anos, foi mandado parar pela polícia. O jovem acabou por morrer no hospital 5 dias depois.

  • Novo avião da TAP a lembrar o passado
    1:32
  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01

    País

    Um avião da TAP voltou a cruzar-se este domingo com um drone, enquanto se preparava para aterrar no aeroporto de Lisboa. A aproximação deu-se a 900 metros de altitude e passou muito perto da asa da aeronave. Este é o 10.º incidente com drones este ano e o 6.º este mês.

  • Os russos adoram Portugal
    2:48

    Taça das Confederações

    Os portugueses que foram à Rússia para a Taça das Confederações ficaram surpreendidos pela forma calorosa com que todos foram recebidos. Cristiano Ronaldo é o grande responsável por esta paixão pelo nosso país.

    Enviados SIC

  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11

    Mundo

    Um barco de turismo naufragou na Colômbia, ontem à tarde. A bordo estavam cerca de 170 passageiros. Há pelo menos seis mortos confirmados e 28 pessoas continuam desaparecidas. O barco afundou-se ao largo de uma barragem, perante o olhar incrédulo de dezenas de pessoas.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.