sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Juiz Moro pede desculpa por divulgar escutas de Dilma e Lula

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela investigação Lava Jato, admitiu esta terça-feira que se equivocou ao autorizar a divulgação de escutas telefónicas entre a Presidente Dilma Rousseff e o seu antecessor, Lula da Silva.

O ponto alto da contestação surgiu com a nomeação do ex-Presidente Lula da Silva como ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff, para que tivesse imunidade jurídica e, segundo a imprensa brasileira, assim travar a investigação de que é alvo da Justiça através da Operação Lava Jato.

O ponto alto da contestação surgiu com a nomeação do ex-Presidente Lula da Silva como ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff, para que tivesse imunidade jurídica e, segundo a imprensa brasileira, assim travar a investigação de que é alvo da Justiça através da Operação Lava Jato.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O juiz referiu também que não teve intenção de "gerar um facto político-partidário, polémicas ou conflitos, algo estranho à função jurisdicional".

Sérgio Moro justificou a sua conduta afirmando que quis divulgar "condutas relevantes do ponto de vista jurídico e criminal" relativas a Lula da Silva, "que podem, eventualmente, caracterizar obstrução à Justiça ou tentativas de obstrução à Justiça".

Nos áudios divulgados, Dilma Rousseff diz a Lula da Silva que mandou alguém entregar o termo de posse do ex-Presidente como ministro da Casa Civil, para o caso de ser necessário.

As declarações foram interpretadas como um possível "combinação" para garantir a imunidade de Lula da Silva, mas a Presidente esclareceu que falavam na assinatura do seu antecessor para a tomada de posse, quando ainda não era certa a presença de Lula no evento.

Na semana passada, Teori Zavascki suspendeu a divulgação das escutas envolvendo a Presidente da República e deu um prazo de dez dias a Sérgio Moro para justificar a divulgação dos diálogos entre Dilma Rousseff e Lula da Silva.

Esta quinta-feira, o STF vai decidir se Sérgio Moro, responsável pela investigação da Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, continuará a conduzir os inquéritos contra o ex-Presidente.

Lusa

  • Dilma enfrenta mais um pedido de destituição
    2:29

    Mundo

    A Ordem dos Advogados do Brasil apresentou um novo pedido de destituição de Dilma Rousseff. Quanto à nomeação de Lula da Silva, o procurador-geral da República do Brasil não vê impedimento para que o antigo presidente brasileiro assuma o cargo de ministro da Casa Civil. Ainda assim entende que Lula deve continuar a ser investigado pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo Lava Jato.

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.