sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Quarto maior partido na Câmara dos Deputados apoia destituição de Dilma e sai do Governo

O Partido Progressista (PP), a quarta maior força política na Câmara dos Deputados brasileira, decidiu apoiar a destituição da Presidente Dilma Rousseff e sair do Governo.

© Ueslei Marcelino / Reuters

A decisão foi tomada nesta terça-feira à noite, por ampla maioria, um dia depois de a comissão especial criada na Câmara dos Deputados ter aprovado o pedido do processo de destituição, com 38 votos a favor e 27 contra.

O documento segue agora para o plenário, onde o PP conta com 47 deputados, e será votado no domingo.

Para passar ao Senado, o documento necessita da aprovação de 342 deputados.

Numa bancada de 47 deputados do PP, 44 compareceram à reunião desta terça-feira, sendo que nove declararam apoio à Presidente, quatro mostraram-se indecisos e 31 manifestaram o seu acordo com o pedido de destituição.

Após a bancada ter tomado esta decisão, o senador Ciro Nogueira colocou os cargos que o partido tem no governo à disposição.

"O partido solicita a carta de renúncia de quem está no Governo. Já falei com o ministro da Interação Nacional, Gilberto Occhi, e com presidente da Codevasf [Companhia de Desenvolvimentos dos Vales do São Francisco e do Parnaíba] que fizessem as cartas de renúncia como gesto de grandeza e lealdade", disse.

O senador, citado pela imprensa brasileira, explicou que não haverá punição para os que não seguirem a orientação da liderança.

Também o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), do vice-presidente brasileiro, Michel Temer, que era o principal aliado do Partido dos Trabalhadores (PT) de Dilma Rousseff, decidiu, a 29 de março, abandonar o executivo, mas nem todos os ministros desta força política concordaram em deixar os cargos.

A 16 de março, o Partido Republicano Brasileiro (PRB) tomou igualmente a decisão de abandonar o executivo.

Com Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC