sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Lula pede apoio aos deputados para evitar destituição de Dilma Rousseff

Num último esforço para evitar que o processo de impeachment da Presidente Dilma Rousseff avance para o Senado, o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou um vídeo fazendo um apelo aos deputados federais.

Lula da Silva, antigo presidente do Brasil

Lula da Silva, antigo presidente do Brasil

© Paulo Whitaker / Reuters

"Quero falar com vocês, e especialmente com os nossos deputados, sobre o momento histórico que o país está vivendo. [A partir de 2003] juntos vencemos a fome e começamos a reduzir a desigualdade. Foi preciso muito esforço, muito sacrifício, para o Brasil conquistar respeito e credibilidade diante do mundo", disse.

Segundo Lula da Silva "todo esse esforço pode ser jogado fora por um passo errado, um passo impensado, no próximo domingo. Os deputados têm de pensar com muita serenidade sobre isso".

O ex-Presidente também apontou que derrubar um governo eleito democraticamente sem que haja um crime não vai consertar as coisas, mas agravar a crise.

"O Brasil precisa de paz e de estabilidade para retomar o caminho do desenvolvimento", frisou.

Tentando passar uma mensagem de otimismo, ele afirmou que "derrotado o 'impeachment', já na segunda-feira, independente de cargos, estarei empenhado, junto com a Presidente Dilma, para que o Brasil tenha um novo modo de governar".

O líder histórico do Partido dos Trabalhadores (PT) fez duras críticas ao vice-Presidente do Brasil, Michel Temer, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), dizendo que uma coisa é divergir do governo e "outra coisa é embarcar em aventuras, acreditando no canto de sereia dos que se sentam na cadeira antes da hora".

Seguindo esta argumentação, enfatizou que ninguém conseguirá governar um país de 200 milhões de habitantes se não tiver a legitimidade do voto popular.

No próximo domingo, haverá uma votação no plenário da Câmara que decidirá sobre as denúncias contra a Presidente, acusada de ter cometido crime de responsabilidade por executar manobras fiscais e autorizar despesas, que a ser desfavorável a Dilma Rousseff será encaminhada para o Senado.

Nas últimas semanas, o Governo e o PT têm perdido o apoio de diversos grupos antes considerados aliados, cujos parlamentares anunciaram que vão votar a favor do processo de destituição.

Se aprovado por 342 deputados, de um total de 513 parlamentares que integram a Câmara de Deputados, a denúncia contra a chefe de Estado é encaminhada para o Senado.

Para abrir juridicamente o processo de destituição no Senado basta uma maioria simples dos 81 membros desta câmara alta.

Se for processada e condenada pelos senadores, a chefe de Estado será substituída por Michel Temer.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.