sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Lula pede apoio aos deputados para evitar destituição de Dilma Rousseff

Num último esforço para evitar que o processo de impeachment da Presidente Dilma Rousseff avance para o Senado, o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou um vídeo fazendo um apelo aos deputados federais.

Lula da Silva, antigo presidente do Brasil

Lula da Silva, antigo presidente do Brasil

© Paulo Whitaker / Reuters

"Quero falar com vocês, e especialmente com os nossos deputados, sobre o momento histórico que o país está vivendo. [A partir de 2003] juntos vencemos a fome e começamos a reduzir a desigualdade. Foi preciso muito esforço, muito sacrifício, para o Brasil conquistar respeito e credibilidade diante do mundo", disse.

Segundo Lula da Silva "todo esse esforço pode ser jogado fora por um passo errado, um passo impensado, no próximo domingo. Os deputados têm de pensar com muita serenidade sobre isso".

O ex-Presidente também apontou que derrubar um governo eleito democraticamente sem que haja um crime não vai consertar as coisas, mas agravar a crise.

"O Brasil precisa de paz e de estabilidade para retomar o caminho do desenvolvimento", frisou.

Tentando passar uma mensagem de otimismo, ele afirmou que "derrotado o 'impeachment', já na segunda-feira, independente de cargos, estarei empenhado, junto com a Presidente Dilma, para que o Brasil tenha um novo modo de governar".

O líder histórico do Partido dos Trabalhadores (PT) fez duras críticas ao vice-Presidente do Brasil, Michel Temer, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), dizendo que uma coisa é divergir do governo e "outra coisa é embarcar em aventuras, acreditando no canto de sereia dos que se sentam na cadeira antes da hora".

Seguindo esta argumentação, enfatizou que ninguém conseguirá governar um país de 200 milhões de habitantes se não tiver a legitimidade do voto popular.

No próximo domingo, haverá uma votação no plenário da Câmara que decidirá sobre as denúncias contra a Presidente, acusada de ter cometido crime de responsabilidade por executar manobras fiscais e autorizar despesas, que a ser desfavorável a Dilma Rousseff será encaminhada para o Senado.

Nas últimas semanas, o Governo e o PT têm perdido o apoio de diversos grupos antes considerados aliados, cujos parlamentares anunciaram que vão votar a favor do processo de destituição.

Se aprovado por 342 deputados, de um total de 513 parlamentares que integram a Câmara de Deputados, a denúncia contra a chefe de Estado é encaminhada para o Senado.

Para abrir juridicamente o processo de destituição no Senado basta uma maioria simples dos 81 membros desta câmara alta.

Se for processada e condenada pelos senadores, a chefe de Estado será substituída por Michel Temer.

Lusa

  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Depois do Fogo
    23:30
  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.