sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Brasileiros protestam contra e a favor da destituição de Dilma Rousseff

Milhares de brasileiros estão nas ruas a manifestarem-se contra ou a favor do processo de destituição da Presidente Dilma Rousseff, cuja votação está agendada para à tarde de hoje na Câmara dos Deputados, em Brasília.

© Adriano Machado / Reuters

Em Brasília a movimentação é grande, mas o ponto alto das manifestações deverá acontecer após as 14:00 (18:00 em Lisboa), hora marcada para o início da sessão de votação.

Grupos de manifestantes, uns que apoiam e outros que são contra a destituição, vão acompanhar a decisão dos deputados federais em frente do Congresso.

As autoridades locais determinaram que a área defronte do Congresso Nacional seja isolada e restrita apenas a agentes da polícia, bombeiros e militares, já que, segundo as autoridades, esperam-se que cerca de 300 mil pessoas acompanhem a votação no local.

No Rio de Janeiro, uma multidão de manifestantes que defendem a chefe de Estado brasileira está a decorrer em Copacabana, aguardando-se que à tarde, manifestantes opositores do Governo façam outro protesto no mesmo local.

Em várias cidades: Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, São Luiz, Maceió, entre outras, há muitas pessoas na rua a manifestarem-se.

Na maior cidade do país, São Paulo, esperam-se grandes protestos contra e a favor do 'impeachment' na Avenida Paulista e no Vale do Anhangabaú, no início da tarde.

A Câmara dos Deputados do Brasil vota hoje a partir das 14:00 de Brasília o pedido de impugnação do mandato da Presidente Dilma Rousseff e deverá prolongar-se durante a tarde, dado que os líderes de todos os partidos poderão falar para orientar o voto das suas bancadas e depois cada deputado será chamado, dispondo de 10 segundo para anunciar o seu voto.

Para o processo de impugnação do mandato presidencial e destituição de Dilma Rousseff avançar para o Senado (a câmara alta do Congresso brasileiro) são necessários os votos de pelo menos 342 dos 513 deputados da Câmara.

Para arquivar o processo, a chefe de Estado precisa do apoio de 171 deputados, entre votos a favor, faltas e abstenções.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.