sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Governo pede anulação da sessão parlamentar sobre destituição de Dilma

A Advocacia-Geral da União (AGU) do Brasil apresentou na segunda-feira à noite, um recurso para anular a sessão da votação do pedido de impeachment da Presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados, que deverá ser rejeitado.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O documento, que foi entregue na secretaria-geral da mesa da Câmara dos Deputados, aponta supostas irregularidades em mais de 30 páginas e anexos.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da mesa da Câmara dos Deputados, Sílvio Avelino da Silva, adiantou que o recurso deverá ser indeferido, mas ainda não se sabe quando, pois "não há prazo determinado para a resposta".

Desde logo, disse que não é possível receber o recurso na mesa, "porque a matéria já não está mais no âmbito da Câmara".

Depois da aprovação do pedido de impeachment pelos deputados a 17 de abril, o processo seguiu para o Senado, também para ser votado.

Quanto às "formalidades no procedimento da sessão que votou o impeachment, o secretário-geral da mesa da Câmara dos Deputados adiantou tratar-se de "questões pontuais, que a mesa entendeu não serem cabíveis".

Sílvio Avelino da Silva especificou que a petição da AGU advogou que "a Câmara deveria ter produzido um documento chamado resolução, tão logo encerrado o processo de votação", e submetido o mesmo ao plenário, mas adiantou que isso "não está previsto na lei".

A AGU, que defende o Governo, alegou também que o relator do processo na Câmara dos Deputados "não poderia ter falado" antes da votação, acrescentou Sílvio Avelino da Silva, contrapondo: "a lei também prevê que o relator poderia falar para responder a qualquer deputado a qualquer tempo".

A defesa do Governo considerou ainda que o facto de muitos deputados terem dito que votavam pela família, por Deus ou pelos amigos, por exemplo, não é "condizente com o conteúdo da matéria" em apreciação, segundo a mesma fonte.

Em resposta, o secretário-geral da mesa esclareceu que a presidência da Câmara não tem como controlar isso e que "embora os deputados tenham feito um preâmbulo ao produzirem os seus votos, isso não invalida o voto do deputado".

Por fim, a AGU defendeu que "a lei também não prevê uma fase de encaminhamento de votação ou de orientação de bancada", o que, de acordo com Sílvio Avelino da Silva, "não ocorreu", embora o Governo alegue que "os líderes orientaram as suas bancadas".

"Todos os líderes podem falar nos tempos deles, proporcional ao tamanho da bancada, para esclarecer sobre qualquer tema de interesse nacional, não necessariamente orientar o voto da bancada", reforçou.

A agência Lusa tem tentado confirmar este pedido desde o início da manhã de hoje, junto da AGU, mas ainda não obteve resposta.

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.