sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Tribunal eleitoral envia ao Supremo suspeitas de fornecedora da campanha de Dilma

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do Brasil, Gilmar Mendes, enviou esta quarta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) indícios de irregularidades relativos a uma fornecedora da campanha da Presidente com mandato suspenso, Dilma Rousseff.

A empresa DCO Informática Comércio e Serviços, responsável pelo envio de mensagens para telemóveis durante a campanha, recebeu 4,8 milhões de reais (1,3 milhões de euros) entre 21 de outubro e 25 de outubro de 2014 da campanha de Dilma Rousseff pelo serviço.

A empresa em causa não tem alvará de funcionamento nem identificação na fachada e conta apenas com um computador e três funcionários, que não estão registados.

A DCO foi contratada para enviar mensagens por uma aplicação de conversa instantânea, cobrando por cada entre 0,06 (0,016) e 0,16 reais (0,044 euros), tendo subcontratado outra empresa.

As contas da campanha para a reeleição da Presidente com mandato suspenso foram aprovadas em 2014, mas com ressalvas, continuando sob investigação por existirem suspeitas de crimes fiscais, como sonegação e lavagem de dinheiro.

Em fevereiro do ano passado, Gilmar Mendes, que é relator das contas de Dilma Rousseff no TSE, tinha pedido que órgãos de controlo fiscalizassem a DCO e outras seis empresas por suspeitas de irregularidades.

Num inquérito da Polícia Federal para analisar suspeitas, são apuradas eventuais ilegalidades encontradas também na prestação de serviço de empresas contratadas pela campanha, entre as quais a Focal Confecção e Comunicação.

No entanto, as investigações aguardam por uma decisão do STF se o caso deve seguir na primeira instância ou no próprio tribunal.

A campanha de Dilma Rousseff já fez saber que não houve irregularidades e que as contas da campanha presidencial foram aprovadas pelo TSE.

Dilma Rousseff passou hoje a responsabilidade para o Partido dos Trabalhadores (PT) por pagamentos da sua campanha ao publicitário João Santana, investigado na Operação Lava Jato, que trata do maior esquema de corrupção da história brasileira.

Lusa

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.