sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Processo de destituição de Dilma entra hoje na reta final

© Ueslei Marcelino / Reuters

O processo de afastamento da Presidente com mandato suspenso, Dilma Rousseff, entra hoje na reta final, voltando a animar a discussão política sobre uma questão polémica, numa altura em que o Brasil acolhe os Jogos Olímpicos.

António Anastasia, relator do processo no Senado brasileiro, apresenta o seu parecer sobre o caso na comissão especial que trata do 'impeachment' (destituição) da líder brasileira, composta por 21 senadores, depois da audição de testemunhas de defesa e de acusação arroladas ao processo.

Dilma Rousseff é acusada de ter cometido crime de responsabilidade ao praticar manobras fiscais com a intenção de melhorar as contas públicas e assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento.

Conforme o calendário fixado, a comissão vota o parecer quinta-feira e, se decidir favoravelmente à pertinência das denúncias e das provas, no dia seguinte, dia em que começam os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, o relatório será lido no plenário do Senado.

A primeira votação do relatório está agendada para 09 de agosto, sendo necessária uma maioria simples de votos entre os 81 senadores para que o processo prossiga.

O julgamento final deverá ser iniciado a 29 de agosto - depois dos Jogos Olímpicos, que terminam a 21 de agosto - e deverá ser concluído na primeira semana de setembro, de acordo com o Supremo Tribunal Federal (STF), entidade corresponsável pelo julgamento.

Nesta fase, serão necessários os votos de 54 dos 81 senadores para afastar Dilma Rousseff definitivamente da Presidência, impedindo-a também de se eleger a cargos públicos por oito anos.

Caso os senadores decidam contra a destituição, a Presidente voltará a assumir o cargo que tem sido ocupado pelo Presidente interino, Michel Temer, desde que o pedido de afastamento foi aprovado pelo Congresso a 12 de maio.

Prevê-se igualmente uma maior presença dos brasileiros em manifestações durante este mês, à semelhança do que aconteceu durante a votação do pedido de 'impeachment' no Congresso.

No domingo, milhares de pessoas pró e contra o processo já voltaram às ruas, ainda que em manifestações menos expressivas do que as registadas antes da aprovação do pedido de 'impeachment'.

Os manifestantes tentaram aproveitar a presença no país de turistas, delegações olímpicas e jornalistas de todo o mundo para os Jogos Olímpicos 2016 para passar ideias sobre o processo e até outras mensagens políticas, como a defesa de uma intervenção militar no país e posturas anticorrupção e anticomunismo.

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.