sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Tribunal bloqueia bens da OAS e Odebrecht e de ex-presidente da Petrobras

O Tribunal de Contas da União determinou na quarta-feira o bloqueio de bens das empreiteiras OAS e Odebrecht, e de oito pessoas, incluindo o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli, no âmbito de uma investigação a uma refinaria.

A medida cautelar de bloqueio de bens, com duração de um ano, envolve também o ex-diretor da Petrobras Renato Duque, o empresário Marcelo Odebrecht e cinco ex-funcionários das construtoras, segundo a imprensa brasileira.

Um relatório deu conta de um superfaturamento de 2,1 mil milhões de reais (579,85 milhões de euros), em contratos de obras na refinaria Abreu e Lima, da Petrobras, em Pernambuco.

A medida cautelar determina que cada uma das empresas e pessoas envolvidas tenha bloqueados bens no valor de 2,1 mil milhões de reais (579,85 milhões de euros).

Marcelo Odebrecht e Renato Duque, acusados de envolvimento no esquema de corrupção da petrolífera estatal, encontram-se detidos.

Em 2014, o Tribunal de Contas da União (TCU) tinha decidido bloquear os bens de José Sérgio Gabrielli, devido a irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, no Texas, nos Estados Unidos, pela Petrobras.

O relatório do TCU da altura isentou de responsabilidade os membros do conselho de administração da Petrobras, que na época era presidido por Dilma Rousseff, hoje Presidente da República com mandato suspenso.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31