sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Eduardo Cunha nega ter vendido o seu silêncio em inquérito contra Temer

© Adriano Machado / Reuters

O ex-deputado Eduardo Cunha negou esta quarta-feira em depoimento à Justiça do Brasil que o Presidente Michel Temer tenha autorizado o pagamento de suborno em troca do seu silêncio nos processos de corrupção que estão a ser investigados no país.

A informação foi dada pelo advogado do ex-deputado, Rodrigo Rios, que disse à imprensa que o seu cliente frisou no interrogatório que "o silêncio dele nunca esteve à venda" e que nunca foi procurado pelo Presidente ou por nenhum de seus interlocutores com propostas neste sentido.

Eduardo Cunha está preso desde o ano passado, acusado de participar nos esquemas de corrupção na petrolífera estatal Petrobras e noutras instituições públicas, alvo de investigação na Operação Lava Jato.

O depoimento desta quarta-feira de Eduardo Cunha, porém, diz respeito a um inquérito contra o Presidente Michel Temer aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) em maio, após os donos da empresa JBS, Joesley Batista e Wesley Batista, terem entregado à Justiça uma gravação que supostamente compromete o Presidente.

No áudio, Joesley Batista diz para Michel Temer que estava a subornar Eduardo Cunha para ele ficar calado na prisão. O Presidente reage à informação dizendo: "tem que manter isto, viu".

A conversa foi considerada pela Procuradoria-Geral da República do Brasil como prova de um aval dado por Michel Temer para que o empresário continuasse a subornar Eduardo Cunha, impedindo assim o progresso das investigações da Lava Jato.

Segundo a imprensa local, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já está a preparar uma acusação contra Michel Temer, que deve ser apresentada nos próximos dias ou semanas.

Se for levada adiante, a acusação pode iniciar um processo de destituição contra o chefe de Estado brasileiro, mas o andamento e um processo neste sentido depende também de aprovação no plenário da Câmara dos Deputados (câmara baixa do parlamento do Brasil).

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.