sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Debates eleitorais não vão realizar-se por falta de acordo entre os partidos

O debate alargado entre as candidaturas com assento parlamentar não vai realizar-se por falta de acordo entre os partidos. As direções de informação da SIC, RTP e TVI lamentam falta de acordo entre os partidos. Junto segue o comunicado, na íntegra:

Edgar Ascensão / SIC

As Direções de Informação da RTP, SIC e TVI, tendo em conta as posições públicas já assumidas pelas diversas candidaturas, as divergências entre as mesmas sobre os debates e o calendário do processo eleitoral, entendem esclarecer o seguinte:

1. As Direções de Informação dos três canais generalistas propuseram, em Julho, aos representantes das candidaturas a participação num conjunto de debates:

- três frente a frente entre os líderes das candidaturas PàF e PS, a transmitir um em cada canal;

- um debate alargado a todas as candidaturas, a transmitir em simultâneo nos três canais; e

- um conjunto de frente a frente que envolviam os representantes dos 5 principais partidos com assento parlamentar.

2. Estas propostas respeitavam o novo enquadramento legal sobre os debates em período eleitoral e eram norteadas pelo critério editorial dos canais.

3. Do lado das estações de televisão, o objetivo que presidiu a esta iniciativa foi sempre e exclusivamente permitir uma melhor informação dos eleitores num momento político tão importante como é a realização de um ato eleitoral.

4. Ao fim de várias semanas de reuniões com os representantes das candidaturas, será possível organizar um conjunto de frente a frente entre os líderes ou representantes dos partidos políticos ou candidaturas representados no Parlamento e que concorrem às próximas eleições. Esses debates vão ocorrer nas próximas semanas

5. Sublinhamos que um desses frente a frente, aquele que envolve o Dr. Pedro Passos Coelho e o Dr. António Costa, será, por proposta editorial das televisões, transmitido em simultâneo pelos três canais de sinal aberto, um facto inédito na história da democracia portuguesa.

6. Quanto ao debate conjunto, as diferentes candidaturas não chegaram a acordo sobre os participantes no mesmo. Assim, apesar dos esforços efetuados no sentido de viabilizar este debate, o mesmo não irá realizar-se, por motivos alheios à vontade das Direções de Informação da RTP, SIC e TVI.

7. As Direções de Informação da RTP, SIC e TVI lamentam que as candidaturas não tenham chegado a acordo e reunido as condições para a realização desse debate alargado. Estão, no entanto, convictas de que os demais debates agendados podem contribuir para uma informação mais próxima e esclarecida dos cidadãos.


Paulo Dentinho - Diretor de Informação RTP
Alcides Vieira - Diretor de Informação SIC
Sérgio Figueiredo - Diretor de Informação TVI

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.