sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Costa promete acabar com prova de acesso à carreira docente

O secretário-geral do PS prometeu hoje eliminar os exames de admissão à carreira docente, criticou o despacho que coloca o inglês como disciplina de exame do Ensino Básico e afirmou que evitará gerar descontinuidade no sistema educativo.

M\303\201RIO CRUZ

Posições que foram assumidas pelo líder socialista num debate sobre educação, com a participação de professores e de funcionários educativos, na Escola Secundária Ferreira de Castro em Oliveira de Azeméis.

"A prova de acesso à carreira docente será eliminada", declarou António Costa, em resposta a uma das muitas perguntas formuladas por professores, a maioria delas incidindo sobre a organização do sistema educativo.

Além de garantir que eliminará esta prova de acesso, o secretário-geral do PS criticou um recente de despacho que sujeita os alunos do 4.º ano do Ensino Básico a exame de inglês.

"É notável este despacho, sobretudo porque vindo do mesmo Governo que desvalorizou o ensino do inglês logo no Ensino Básico", apontou.

Em termos de política global de educação, nas suas duas intervenções, o líder socialista voltou a fazer uma autocrítica, dizendo que pretende "retomar o diálogo com as escolas", porque "não é possível fazer reformas sem mobilizar os agentes educativos".

António Costa criticou, também, as sucessivas descontinuidades que são introduzidas no sistema educativo sempre que há uma mudança de orientação política no Governo, contrapondo que, com o PS, "não regressará tudo à estaca zero".

Neste contexto, o secretário-geral do PS defendeu a necessidade de conferir "estabilidade" ao corpo docente, sobretudo nos processos anuais de colocação de professores.

Antes de António Costa tinha falado no debate o cabeça de lista socialista por Viana do Castelo, Tiago Brandão Rodrigues, investigador e que é apontado nos meios socialistas como um dos candidatos a uma pasta governativa na educação caso o PS forme Governo.

O investigador vindo de Cambridge (Reino Unido) defendeu a tese de que a escola pública em Portugal "só não está em causa neste momento devido à resiliência do corpo docente e dos funcionários educativos".

Insurgiu-se, também, contra a lógica tecnocrata, que secundariza a área da educação na ação do Governo.

"Cada euro investido no conhecimento rende mais juros do que um euro na banca", advogou Tiago Brandão Rodrigues, depois de o membro do Secretariado Nacional do PS Porfírio Silva ter abordado os princípios base da plataforma para a educação do seu partido.

"É preciso deixar a escola respirar e investir nos agentes educativos. Aprendemos com a realidade", declarou, também numa espécie de autocrítica à experiência de governos socialistas nesta área.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.