sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Costa promete acabar com prova de acesso à carreira docente

O secretário-geral do PS prometeu hoje eliminar os exames de admissão à carreira docente, criticou o despacho que coloca o inglês como disciplina de exame do Ensino Básico e afirmou que evitará gerar descontinuidade no sistema educativo.

M\303\201RIO CRUZ

Posições que foram assumidas pelo líder socialista num debate sobre educação, com a participação de professores e de funcionários educativos, na Escola Secundária Ferreira de Castro em Oliveira de Azeméis.

"A prova de acesso à carreira docente será eliminada", declarou António Costa, em resposta a uma das muitas perguntas formuladas por professores, a maioria delas incidindo sobre a organização do sistema educativo.

Além de garantir que eliminará esta prova de acesso, o secretário-geral do PS criticou um recente de despacho que sujeita os alunos do 4.º ano do Ensino Básico a exame de inglês.

"É notável este despacho, sobretudo porque vindo do mesmo Governo que desvalorizou o ensino do inglês logo no Ensino Básico", apontou.

Em termos de política global de educação, nas suas duas intervenções, o líder socialista voltou a fazer uma autocrítica, dizendo que pretende "retomar o diálogo com as escolas", porque "não é possível fazer reformas sem mobilizar os agentes educativos".

António Costa criticou, também, as sucessivas descontinuidades que são introduzidas no sistema educativo sempre que há uma mudança de orientação política no Governo, contrapondo que, com o PS, "não regressará tudo à estaca zero".

Neste contexto, o secretário-geral do PS defendeu a necessidade de conferir "estabilidade" ao corpo docente, sobretudo nos processos anuais de colocação de professores.

Antes de António Costa tinha falado no debate o cabeça de lista socialista por Viana do Castelo, Tiago Brandão Rodrigues, investigador e que é apontado nos meios socialistas como um dos candidatos a uma pasta governativa na educação caso o PS forme Governo.

O investigador vindo de Cambridge (Reino Unido) defendeu a tese de que a escola pública em Portugal "só não está em causa neste momento devido à resiliência do corpo docente e dos funcionários educativos".

Insurgiu-se, também, contra a lógica tecnocrata, que secundariza a área da educação na ação do Governo.

"Cada euro investido no conhecimento rende mais juros do que um euro na banca", advogou Tiago Brandão Rodrigues, depois de o membro do Secretariado Nacional do PS Porfírio Silva ter abordado os princípios base da plataforma para a educação do seu partido.

"É preciso deixar a escola respirar e investir nos agentes educativos. Aprendemos com a realidade", declarou, também numa espécie de autocrítica à experiência de governos socialistas nesta área.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.