sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Passos e Portas voltam a reunir-se hoje com Costa

Os presidentes do PSD, Passos Coelho e do CDS-PP, Paulo Portas, reúnem-se hoje novamente com o secretário-geral do PS, António Costa, desta vez tendo como base um documento que apelidaram de "facilitador de um compromisso" para a governabilidade.

© Rafael Marchante / Reuters

O PS propôs que esta reunião seja marcada para as 18:00 de hoje e que se realize no Largo do Rato, em Lisboa. Na segunda-feira à noite, o PS disse que ainda não tinha recebido "informações detalhadas sobre a atualização do cenário económico" que requereu ao presidente do PSD e primeiro-ministro em exercício.

Na segunda-feira à tarde, PSD e CDS-PP anunciaram ter enviado ao secretário-geral do PS, António Costa, pelas 15:50, um "Documento facilitador de um compromisso entre a coligação Portugal à Frente e o Partido Socialista para a governabilidade de Portugal", cujo conteúdo não foi oficialmente divulgado.

Segundo o PSD e o CDS-PP, esse documento dá sequência ao que ficou acordado com o PS na anterior reunião entre delegações dos três partidos, que se realizou na sexta-feira, na sede nacional dos sociais-democratas, em Lisboa, e durou perto de três horas.

No final dessa primeira reunião, o secretário-geral do PS, António Costa, qualificou-a de "bastante inconclusiva", dizendo que os dois partidos da coligação Portugal à Frente não tinham apresentado qualquer proposta concreta.

Por sua vez, o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, declarou que esperava que fossem os socialistas a apresentar propostas concretas e acrescentou que, como isso não tinha acontecido, PSD e CDS-PP iriam então fazer "um exercício um bocadinho mais atrevido" de tentar "selecionar propostas do PS" para debater num próximo encontro, marcado para hoje.

Segundo Passos Coelho, PSD e CDS-PP estão disponíveis para acolher propostas do PS para obter um acordo sobre as linhas gerais do seu Programa do Governo e do Orçamento do Estado para 2016, sem traçar "linhas vermelhas", desde que sejam respeitadas as regras europeias, incluindo o chamado tratado orçamental.

A coligação PSD/CDS-PP foi a força mais votada nas legislativas de 04 de outubro, mas sem maioria absoluta de deputados. Logo na noite eleitoral, o presidente do PSD anunciou que sociais-democratas e centristas iriam assinar um acordo para governar e que iria tomar a iniciativa, "no plano parlamentar, de contactar o PS" para procurar entendimentos.

Por sua vez, no domingo de eleições, o secretário-geral do PS prometeu não fazer parte de uma "maioria negativa" contra PSD e CDS-PP sem haver "um Governo credível e alternativo ao da direita".

Dois dias depois, António Costa recebeu da Comissão Política Nacional do PS um mandato para falar com todas as forças políticas representadas no parlamento - tendo-se já reunido, desde então, com PCP, PEV, BE e PAN, para além do encontro com PSD e CDS-PP.

Entretanto, PSD e CDS-PP reuniram os seus órgãos nacionais, na segunda e terça-feira seguintes às eleições, para preparar um acordo de Governo entre os dois partidos, que assinaram na quarta-feira.

Nessa ocasião, referindo-se a António Costa como "líder do maior partido da oposição", Passos Coelho anunciou que lhe tinha proposto nessa manhã uma reunião destinada a promover "uma cultura de diálogo, de compromissos" que assegurasse "estabilidade para governar".

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.