sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

"Tenho, graças a Deus, quem me possa substituir no Conselho" de Ministros

O vice primeiro-ministro, Paulo Portas, justificou a ausência no Conselho de Ministros de hoje em Lisboa com a importância de representar o Governo na Web Summit, em Dublin.

Cerimónia de tomada de posse do Governo

Cerimónia de tomada de posse do Governo

"Tenho, graças a Deus, quem me possa substituir no Conselho [de Ministros]", disse aos jornalistas portugueses, à margem de uma visita ao evento, que encerra hoje.

O número dois do Executivo falta assim à reunião do Conselho de Ministros na qual se discutirá o Programa do Governo PSD/CDS-PP que deverá ser entregue no parlamento na sexta-feira até às 12:00.

"Nunca deixaria de estar a representar Portugal naquilo que é para o nosso país um momento importante que significa acolher nos próximos três anos o maior encontro mundial da economia web, ou seja, da nova economia", vincou o presidente dos centristas.

A partir de 2016, a Web Summit, que este ano atraiu cerca de 30.000 delegados, entre empreendedores, investidores e profissionais do setor tecnológico, vai realizar-se em Lisboa.

A transição foi hoje discutida no palco principal, onde esteve Paulo Portas, acompanhado, entre outros, pelo presidente da AICEP, Miguel Frasquilho, o ex-secretário de Estado da Economia, Leonardo Mathias, com um dos fundadores do evento, Paddy Cosgrave.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.