sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Fim anunciado

Aqui às 10:00

No Parlamento é hoje votado o programa do Governo bem como as quatro moções de rejeição ao Executivo PSD/CDS-PP que farão cair o Executivo mais curto da democracia portuguesa. Para seguir em direto no site da SIC Notícias, a partir das 10:00.

MIGUEL A. LOPES

A Assembleia da República deverá chumbar hoje o Programa do XX Governo Constitucional, através da aprovação de uma moção de rejeição do PS, o que implica a demissão do executivo PSD/CDS-PP.

PCP, BE e PEV também apresentarão moções de rejeição ao programa do executivo mas a do PS deverá ser a primeira a ser votada, consumando-se com a sua aprovação a queda do Governo.

A rejeição do Programa do Governo exige maioria absoluta dos deputados em efetividade de funções, ou seja, pelo menos 116 parlamentares. Nas eleições de 04 de outubro, a coligação Portugal à Frente obteve 107 mandatos (89 do PSD e 18 do CDS-PP), o PS elegeu 86 deputados, o BE 19, a CDU 17 (dois do PEV e 15 do PCP) -- totalizando 122 parlamentares - e o PAN elegeu um deputado.

Segundo o artigo 195.º da Constituição, a rejeição do Programa do Governo implica a demissão do executivo liderado por Pedro Passos Coelho, que se manterá em gestão até à posse de um novo Governo, não entrando em plenitude de funções.

Nas suas intervenções no primeiro dia do debate, o primeiro-ministro não ignorou o previsível 'chumbo' do seu programa e lamentou a quebra das "convenções parlamentares" com 40 anos, confessando-se apreensivo com o futuro.

Passos Coelho classificou a alternativa programática da oposição como "um programa político imediatista e irrealista" e "iliberal", que disse pôr em causa o equilíbrio das contas públicas. Acusou o PS de ter virado à esquerda, saindo da "maioria maior" do consenso europeu, e prometeu fazer oposição a "uma política negativa, de ruína de Portugal".

O PS, pela voz, primeiro, do vice-presidente da bancada Pedro Nuno Santos, acusou o Governo PSD/CDS de manter o memorando da 'troika' no seu programa liberal, enquanto o presidente do partido e líder parlamentar, Carlos César, defendeu que só a "direita" antidemocrática recusa a regra da maioria.

A porta-voz do BE, Catarina Martins, que classificou o programa de Governo como uma "mixórdia de temáticas" com muito "humor negro", sublinhou que foi a democracia -- ao não dar maioria absoluta a PSD e CDS -- que determinará o 'chumbo' do executivo.

Na mesma linha, o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, afirmou que o programa do Governo PSD/CDS-PP "é mais do mesmo, colorido com mais algumas proclamações", com o primeiro-ministro a questioná-lo se o PS continuava ou não a ser "farinha do mesmo saco" da coligação PSD/CDS-PP como os comunistas diziam em campanha.

A deputada do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) Heloísa Apolónia pediu, por seu lado, ao primeiro-ministro para contar os deputados no hemiciclo e verificar que perdeu a maioria absoluta, enquanto, na sua estreia parlamentar, o deputado do PAN preferiu fazer oito perguntas concretas ao Governo, sobre temas como o desemprego, a saúde, a proteção animal ou o ambiente.

Os líderes das bancadas da maioria salientaram que foi Pedro Passos Coelho quem venceu as eleições legislativas e centraram as suas críticas no líder do PS António Costa: Luís Montenegro (PSD) acusou Costa de "ambição desmedida" e de fazer "arranjinhos" para "adulterar a vontade do povo" e Nuno Magalhães (CDS-PP) introduziu a expressão "'troika' da esquerda" para se referir à intenção do PS de formar governo com o apoio parlamentar do BE, PCP e PEV.

Foram várias as vozes do PSD e CDS que criticaram o facto de António Costa ter optado, no primeiro dia, por não intervir no debate, com o líder socialista a responder, aos jornalistas, que irá falar hoje no período de encerramento da discussão do Programa do Governo.

Do primeiro dia de debate, ficou ainda a garantia de Passos Coelho que o executivo PSD/CDS-PP vai prosseguir o processo de privatização da TAP e dos transportes públicos de Lisboa e do Porto.

Para o segundo dia, restam mais três horas de debate, que o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, disse esperar ter concluído de manhã para, à tarde, iniciar a sessão de encerramento da discussão do Programa do Governo, para o qual estão reservados mais 100 minutos, no final da qual serão votadas as moções de rejeição.

Com Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46