sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Fim anunciado

Aqui às 10:00

No Parlamento é hoje votado o programa do Governo bem como as quatro moções de rejeição ao Executivo PSD/CDS-PP que farão cair o Executivo mais curto da democracia portuguesa. Para seguir em direto no site da SIC Notícias, a partir das 10:00.

MIGUEL A. LOPES

A Assembleia da República deverá chumbar hoje o Programa do XX Governo Constitucional, através da aprovação de uma moção de rejeição do PS, o que implica a demissão do executivo PSD/CDS-PP.

PCP, BE e PEV também apresentarão moções de rejeição ao programa do executivo mas a do PS deverá ser a primeira a ser votada, consumando-se com a sua aprovação a queda do Governo.

A rejeição do Programa do Governo exige maioria absoluta dos deputados em efetividade de funções, ou seja, pelo menos 116 parlamentares. Nas eleições de 04 de outubro, a coligação Portugal à Frente obteve 107 mandatos (89 do PSD e 18 do CDS-PP), o PS elegeu 86 deputados, o BE 19, a CDU 17 (dois do PEV e 15 do PCP) -- totalizando 122 parlamentares - e o PAN elegeu um deputado.

Segundo o artigo 195.º da Constituição, a rejeição do Programa do Governo implica a demissão do executivo liderado por Pedro Passos Coelho, que se manterá em gestão até à posse de um novo Governo, não entrando em plenitude de funções.

Nas suas intervenções no primeiro dia do debate, o primeiro-ministro não ignorou o previsível 'chumbo' do seu programa e lamentou a quebra das "convenções parlamentares" com 40 anos, confessando-se apreensivo com o futuro.

Passos Coelho classificou a alternativa programática da oposição como "um programa político imediatista e irrealista" e "iliberal", que disse pôr em causa o equilíbrio das contas públicas. Acusou o PS de ter virado à esquerda, saindo da "maioria maior" do consenso europeu, e prometeu fazer oposição a "uma política negativa, de ruína de Portugal".

O PS, pela voz, primeiro, do vice-presidente da bancada Pedro Nuno Santos, acusou o Governo PSD/CDS de manter o memorando da 'troika' no seu programa liberal, enquanto o presidente do partido e líder parlamentar, Carlos César, defendeu que só a "direita" antidemocrática recusa a regra da maioria.

A porta-voz do BE, Catarina Martins, que classificou o programa de Governo como uma "mixórdia de temáticas" com muito "humor negro", sublinhou que foi a democracia -- ao não dar maioria absoluta a PSD e CDS -- que determinará o 'chumbo' do executivo.

Na mesma linha, o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, afirmou que o programa do Governo PSD/CDS-PP "é mais do mesmo, colorido com mais algumas proclamações", com o primeiro-ministro a questioná-lo se o PS continuava ou não a ser "farinha do mesmo saco" da coligação PSD/CDS-PP como os comunistas diziam em campanha.

A deputada do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) Heloísa Apolónia pediu, por seu lado, ao primeiro-ministro para contar os deputados no hemiciclo e verificar que perdeu a maioria absoluta, enquanto, na sua estreia parlamentar, o deputado do PAN preferiu fazer oito perguntas concretas ao Governo, sobre temas como o desemprego, a saúde, a proteção animal ou o ambiente.

Os líderes das bancadas da maioria salientaram que foi Pedro Passos Coelho quem venceu as eleições legislativas e centraram as suas críticas no líder do PS António Costa: Luís Montenegro (PSD) acusou Costa de "ambição desmedida" e de fazer "arranjinhos" para "adulterar a vontade do povo" e Nuno Magalhães (CDS-PP) introduziu a expressão "'troika' da esquerda" para se referir à intenção do PS de formar governo com o apoio parlamentar do BE, PCP e PEV.

Foram várias as vozes do PSD e CDS que criticaram o facto de António Costa ter optado, no primeiro dia, por não intervir no debate, com o líder socialista a responder, aos jornalistas, que irá falar hoje no período de encerramento da discussão do Programa do Governo.

Do primeiro dia de debate, ficou ainda a garantia de Passos Coelho que o executivo PSD/CDS-PP vai prosseguir o processo de privatização da TAP e dos transportes públicos de Lisboa e do Porto.

Para o segundo dia, restam mais três horas de debate, que o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, disse esperar ter concluído de manhã para, à tarde, iniciar a sessão de encerramento da discussão do Programa do Governo, para o qual estão reservados mais 100 minutos, no final da qual serão votadas as moções de rejeição.

Com Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.