sicnot

Perfil

Mário Soares 1924-2017

Mário Soares 1924-2017

Mário Soares 1924-2017

Multidão no Largo do Rato aplaudiu o antigo chefe de Estado

NUNO FOX

Uma multidão concentrou-se esta terça-feira no Largo do Rato, em Lisboa, em frente à sede do Partido Socialista, para aplaudir, com gritos "Soares é fixe", a passagem da urna do antigo Presidente da República Mário Soares.

O Largo do Rato foi o ponto do cortejo onde mais pessoas se concentraram para o "último adeus" a Mário Soares.

À passagem na sede nacional do Partido Socialista, muitas pessoas atiraram rosas para cima da urna.

Ao Largo do Rato, chegaram mesmo autocarros de vários pontos do país.

O cortejo foi recebido com palmas dos populares, que se intensificaram com a passagem da urna e dos veículos que transportavam a família de Mário Soares.

Além de "Soares é fixe", as pessoas gritaram também "PS, PS" com o punho cerrado no ar, "Soares, amigo, o povo está contigo".

Foi também ouvida a voz de Mário Soares, tirada de um discurso antigo, quando gritou "Viva o socialismo", ao que os presentes responderam: "Viva, viva".

Quando o cortejo deixou o Largo do Rato e seguiu em direção ao cemitério dos Prazeres, houve um momento de silêncio.

As pessoas começaram a chegar ao Largo do Rato por volta das 13:00, quando começou a cerimónia solene de homenagem ao antigo Presidente da República Mário Soares, nos claustros do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.

Quando a cerimónia solene começou eram cerca de meia centena aqueles que assistiam através do ecrã gigante colocado em frente ao edifício da sede do Partido Socialista e quando a cerimónia acabou, uma hora depois, já eram algumas centenas os populares, militantes e simpatizantes socialistas presentes para homenagear Mário Soares.

Os pontos altos da cerimónia solene foram a mensagem de vídeo do primeiro-ministro, António Costa, e a intervenção do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, que foram aplaudidos no Largo do Rato.

Além de rosas amarelas, símbolo de saudade e amizade, muitos populares levaram também cravos vermelhos, rosas vermelhas, rosas brancas, a bandeira nacional e as bandeiras do Partido Socialista.

No local, estavam também vários deputados, autarcas e dirigentes socialistas, bem como o presidente Carlos César, a secretária-geral adjunta Ana Catarina Mendes, um dos fundadores do partido, Edmundo Pedro, os eurodeputados Ana Gomes e Francisco Assis, e a antiga presidente Maria de Belém.

Os populares aguardaram a passagem do cortejo fúnebre do antigo chefe de Estado Mário Soares, que chegou pelas 15:40, ao Largo do Rato.

Apesar de a urna já ter passado pelo Largo do Rato, mais de uma centena de pessoas permanecem ainda no local a assistir ao resto da cerimónia fúnebre, através do ecrã gigante.

Mário Soares morreu no sábado, aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.

O Governo português decretou três dias de luto nacional, até quarta-feira.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.