sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Parlamento português condena atentado de Orlando e repudia homofobia

O parlamento português condenou hoje o ataque contra uma discoteca em Orlando, EUA, que classificou como um "ato bárbaro" contra a comunidade LGBT e contra as liberdades, repudiando todas as formas de terrorismo e de ódio.

LUSA/ ARQUIVO

A Assembleia da República "manifesta a mais veemente condenação pelo ataque perpetrado contra cidadãos inocentes, expressando o seu pesar às famílias das vítimas, bem como às autoridades e ao povo norte-americanos", lê-se no voto, apresentado em nome de todas as bancadas e do Presidente do parlamento, Ferro Rodrigues.

No passado domingo, um homem armado atacou uma discoteca em Orlando, EUA, matando 49 pessoas e ferindo 53, num ataque "motivado pelo ódio homofóbico e reivindicado pelo Daesh, embora estejam ainda por explicar as verdadeiras razões", refere o voto.

"Há seguramente uma reflexão que é global e que não pode deixar de condenar sem hesitações todas as formas de terrorismo e todas as formas de ódio", defende o parlamento português, transmitindo a "mais profunda condenação" pelo "ato bárbaro contra uma comunidade em específico, as pessoas Lésbicas, Gay, Bissexuais e Transgénero" [LGBT].

O texto aprovado sustenta ainda que "a brutalidade e a quantidade dos casos" justifica mais empenho numa "resposta global ao terrorismo, não violenta, que promova a segurança através da liberdade e a liberdade através da segurança".


Lusa

  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Jornalista bielorrusso come jornal após perder aposta

    Desporto

    Vyacheslav Fedorenko, editor de desporto de um importante jornal da Bielorrúsia, apostou que o Dinamo Minsk não chegaria aos play-offs da Kontinental Hockey League (KHL), uma liga internacional dominada por equipas russas. Perdeu e acabou a comer as próprias palavras, impressas em papel.