sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Parlamento português condena atentado de Orlando e repudia homofobia

O parlamento português condenou hoje o ataque contra uma discoteca em Orlando, EUA, que classificou como um "ato bárbaro" contra a comunidade LGBT e contra as liberdades, repudiando todas as formas de terrorismo e de ódio.

LUSA/ ARQUIVO

A Assembleia da República "manifesta a mais veemente condenação pelo ataque perpetrado contra cidadãos inocentes, expressando o seu pesar às famílias das vítimas, bem como às autoridades e ao povo norte-americanos", lê-se no voto, apresentado em nome de todas as bancadas e do Presidente do parlamento, Ferro Rodrigues.

No passado domingo, um homem armado atacou uma discoteca em Orlando, EUA, matando 49 pessoas e ferindo 53, num ataque "motivado pelo ódio homofóbico e reivindicado pelo Daesh, embora estejam ainda por explicar as verdadeiras razões", refere o voto.

"Há seguramente uma reflexão que é global e que não pode deixar de condenar sem hesitações todas as formas de terrorismo e todas as formas de ódio", defende o parlamento português, transmitindo a "mais profunda condenação" pelo "ato bárbaro contra uma comunidade em específico, as pessoas Lésbicas, Gay, Bissexuais e Transgénero" [LGBT].

O texto aprovado sustenta ainda que "a brutalidade e a quantidade dos casos" justifica mais empenho numa "resposta global ao terrorismo, não violenta, que promova a segurança através da liberdade e a liberdade através da segurança".


Lusa

  • Corpos das vítimas do acidente aéreo chegaram a Chapecó

    Acidente aéreo na Colômbia

    Chegaram esta manhã a Chapecó, no sul do Brasil, os corpos das vitimas do acidente aéreo que causou a morte de boa parte da equipa de futebol chapecoense. Depois da cerimónia no aeroporto, vai haver um velório coletivo no estádio do clube. A SIC Notícias está direto do aeroporto Chapecó. A correspondente Ivani Flora está no aeroporto a acompanhar as cerimónias. O Presidente Michel Temer e outras personalidades do estado brasileiro estão no local a prestar homenagem às vítimas.

    Direto

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.