sicnot

Perfil

Tragédia no Meco

Tragédia no Meco

Tragédia no Meco

Procurador avança com processo contra pais de vitimas na praia do Meco

15 de março de 2015: Cerimónia de inauguração da escultura em memória dos jovens falecidos na Praia do Meco, em dezembro de 2013.

ANT\303\223NIO COTRIM

Os pais dos seis jovens mortos na praia do Meco, há mais de três anos, foram notificados para serem ouvidos como arguidos num processo crime movido pelo procurador de Almada que arquivou o caso.

O magistrado do tribunal de Almada já tinha prometido processar os familiares das vitimas por criticas à investigação. Avançou com um processo crime por difamação agravada e denúncia caluniosa.

Os pais, que nunca se conformaram e que desde o início recusaram a tese de acidente, foram notificados no dia 15 de dezembro, precisamente três anos depois da morte dos filhos, para serem ouvidos este mês.

  • Pais dos jovens que morreram no Meco continuam sem respostas
    1:44

    País

    Os familiares dos seis estudantes que morreram no Meco recolheram os objetos dos filhos que estavam à guarda do tribunal. Dois anos e meio depois, os pais dizem que continuam sem respostas sobre o que aconteceu na noite em que os filhos morreram. Os pais dos seis jovens vão avançar com processos cíveis e com um processo para o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.

  • Mãe do jovem que morreu em praxe começa a ser julgada por difamação
    1:44

    País

    A mãe do jovem que morreu em 2001, depois de ter sido agredido numa praxe da tuna, começou a ser julgada. Maria de Fátima Macedo está acusada de quatro crimes de difamação, por palavras ditas à comunicação social, na altura da morte dos estudantes no Meco. A mulher arrisca a pena de cinco anos de cadeia ou uma multa. Olavo Almeida, que chegou a ser arguido no processo da morte de Diogo, apresentou queixa por difamação e pede agora uma indemnização de 120 mil euros à mãe de Diogo Macedo.

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.