sicnot

Perfil

Nicolau Breyner 1940-2016

Nicolau Breyner 1940-2016

Nicolau Breyner 1940-2016

Cineteatro Municipal de Serpa terá o nome de Nicolau Breyner

A Câmara de Serpa, no Alentejo, a terra natal de Nicolau Breyner, que faleceu na segunda-feira, anunciou hoje que vai atribuir o nome do ator ao cineteatro da cidade, após as obras de requalificação do edifício.

Andr\303\251 Kosters

Nicolau Breyner, "embaixador de Serpa e do Alentejo, homem de artes e da cultura", "permanecerá ligado" à cidade, "relação que a câmara municipal pretende enaltecer, propondo atribuir o seu nome ao cineteatro municipal, após obras de requalificação", refere a autarquia, num comunicado enviado hoje à agência Lusa.

Na segunda-feira, em declarações à Lusa, o presidente da Câmara de Serpa, Tomé Pires, disse ter recebido com "choque" e "grande sentimento de perda" a notícia da morte de Nicolau Breyner, natural do concelho alentejano e do qual "nunca se desligou".

"É com grande sentimento de perda que damos conta desta notícia. Acaba por ser sempre um choque e, logicamente, que o concelho de Serpa", tal como "o Alentejo e o país, fica sempre um pouco mais pobre", afirmou o autarca.

Segundo Tomé Pires (CDU), apesar de Nicolau Breyner se ter dedicado, enquanto, ator, realizador e produtor, a "uma atividade profissional que exige muito das pessoas", não perdeu os laços à sua terra natal.

"Ele, ainda assim, nunca se desligou da sua terra natal, do seu concelho, das suas gentes e isso é de facto de louvar", elogiou, referindo que Nicolau Breyner, "sempre que possível, estava por Serpa" e, "muitas vezes", colaborou com a câmara, "em muitas situações" e "em muitos projetos conjuntos".

"Logicamente que é um sentimento de perda que temos aqui no nosso concelho, em primeiro lugar pela pessoa e, depois, por todo o seu trabalho", acrescentou o presidente do município.

Nicolau Breyner morreu na segunda-feira, em casa, em Lisboa, aos 75 anos, e as exéquias realizam-se hoje, na Basílica da Estrela, na capital portuguesa, a partir da 19:00, sendo rezada missa de corpo presente às 20:00.

O funeral realiza-se na quarta-feira, a partir das 15:00, com uma missa na Basílica da Estrela, seguindo depois para o cemitério do Alto de São João, onde o corpo será cremado.

Natural de Serpa, no distrito de Beja, onde nasceu a 30 de julho de 1940, o ator, com uma carreira de mais de 60 anos, deixou uma marca nos palcos e na televisão portuguesa, sobretudo através de comédias e de telenovelas como "Vila Faia" e "Cinzas", entre outras.

Ficou também conhecido do grande público em programas de televisão como "Eu Show Nico" e "Nicolau no país das maravilhas", no qual criou o ´sketch` "Senhor feliz e senhor contente", com Herman José.

Anteriormente, Nicolau Breyner tinha trabalhado no teatro de revista e em comédia.

Nicolau Breyner terminou o curso do Conservatório em 1960, ano em que se estreou na peça "Leonor Telles", de Marcelino Mesquita, sob a direção de Francisco Ribeiro, levado à cena pela companhia Teatro Nacional Popular, no Teatro da Trindade, em Lisboa.

Trabalhou igualmente no cinema, como ator e realizador, tendo colaborado com António-Pedro Vasconcelos ("A Bela e o Paparazzo", "Os Imortais", "Os gatos não têm vertigens"), João Botelho ("Corrupção") e Leonel Vieira ("A arte de Roubar"), entre outros.

Apesar do tempo passado em Lisboa, Nicolau Breyner nunca esqueceu o Alentejo e cumpriu funções políticas na região.

Nos anos 1990, candidatou-se à Câmara de Serpa, pelo CDS-PP, e assumiu funções como vereador.

Nicolau Breyner estava, atualmente, a participar nas gravações da telenovela da TVI "A Impostora".

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32