sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

Fenprof diz que proposta não permite qualquer investimento na Educação

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) defendeu hoje que a proposta do Orçamento do Estado para 2016 "não permite qualquer tipo de investimento na educação" e exclui qualquer hipótese da melhoria das condições de trabalho dos professores.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

LUSA

"Não nos deixa descansados o facto de o orçamento ter uma redução face aos anos anteriores, nos quais já tinha havido cortes muito fortes. É preocupante", defendeu Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, a propósito da proposta de Orçamento do Estado para 2016, hoje entregue na Assembleia da República.

A Fenprof criticou ainda o aumento das dotações para o setor privado e cooperativo, considerando que decorrem do novo modelo de financiamento criado pela equipa do ex-ministro Nuno Crato, e que prevê um financiamento plurianual dos colégios.

"Isto mostra bem qual era a opção que havia [na decisão de mudar o modelo de financiamento]", disse Mário Nogueira.

O orçamento para o ensino básico e secundário e administração escolar para 2016 foi reduzido em 1,4%, perdendo 82 milhões de euros face ao ano anterior, de acordo com a proposta do Orçamento do Estado para 2016.

"A despesa total consolidada do programa Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar atinge o montante de 5.843,3 milhões de euros. Verifica-se um decréscimo na despesa de 1,4% (cerca de menos 82 milhões de euros), face à execução provisória de despesa de 2015", lê-se no documento, hoje entregue na Assembleia da República.

De acordo com o documento, há um aumento da despesa relativamente a dotações específicas, de 1,2%, feito sobretudo à conta do aumento das transferências do Estado para os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo, que crescem 6% face a 2015.

Lusa

  • Recuo na descida da TSU ajudou a convencer Bruxelas
    1:35

    Orçamento do Estado 2016

    O Governo recuou e já não vai descer a Taxa Social Única para os trabalhadores que recebem menos de 600 euros. Terá sido esta última cedência que permitiu convencer Bruxelas a aprovar a proposta de orçamento. No total, o ministro das Finanças prometeu à Comissão Europeia cerca de 1200 milhões de euros em medidas adicionais.

  • Governo considera fim do quociente familiar mais vantajoso para todos
    2:29

    Orçamento do Estado 2016

    Uma das medidas deste orçamento é o fim do quociente familiar, que será substituido por uma dedução fixa por filho. A mudança significa um aumento do esforço fiscal para as famílias de classe média, de acordo com as simulações consultadas pela SIC. O Governo responde que o impacto das duas medidas é igual. Apenas há, segundo diz, uma distribuição mais justa do valor.

  • Bruxelas avisa que mais medidas não estão excluídas
    3:34

    Orçamento do Estado 2016

    O Orçamento do Estado foi esta sexta-feira entregue no Parlamento após a luz verde de Bruxelas. A Comissão Europeia avisa que ainda há riscos de incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento. O vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovkis, estima que o défice nominal ronde os 3% do PIB em 2016 e mais medidas não estão, por isso, excluídas.

  • Costa critica os que esperavam o chumbo de Bruxelas
    3:02

    Orçamento do Estado 2016

    António Costa estava em Berlim quando soube da luz verde de Bruxelas ao Orçamento do Estado. O primeiro-ministro, que tinha marcado para hoje um almoço de trabalho com Angela Merkel, disse que este é um grande dia, criticou os que disseram esperar um chumbo de Bruxelas e prometeu uma fiscalização rigorosa à execução do orçamento.

  • As medidas adicionais do Orçamento do Estado
    1:53

    Orçamento do Estado 2016

    No documento final com as contas do Estado, o Governo prevê várias mexidas nos impostos ao consumo. O tabaco e o selo do carro vão ficar mais caros, mas, na restauranção, o IVA cai para 13%. Nos combustíveis, aumenta o imposto sobre a gasolina e o gasóleo, mas o Governo admite rever a medida, caso o preço do petróleo volte a subir.

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.