sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

Escolas obrigadas a ter leite sem lactose

As escolas vão passar a oferecer leite sem lactose às crianças do pré-escolar e do 1.º ciclo que sejam intolerantes àquele hidrato, segundo o Orçamento do Estado para 2016 hoje publicado em Diário da República.

Lusa

O OE2016, que entra em vigor na quinta-feira, traz uma alteração ao decreto-lei que define as medidas da ação social escolar, passando a prever as "necessidades alimentares das crianças que frequentam os estabelecimentos de educação pré-escolar e dos alunos do 1.º ciclo do ensino básico da rede pública".

A estas crianças "é oferecida a alternativa de leite sem lactose e podem ser associados ao leite escolar outros alimentos nutritivos", lê-se no OE2016 aprovado segunda-feira pelo Presidente da República.

Para que as crianças passem a beber leite sem lactose, os encarregados de educação devem apresentar uma declaração médica "à direção do respetivo agrupamento de escolas ou escola não integrada, podendo fazê-lo em qualquer altura do ano letivo".

Esta mudança já tinha sido proposta pelo Grupo Parlamentar Os Verdes (PEV), que em 2012 levou ao parlamento um projeto de lei nesse sentido.

Na altura, o PEV lembrou os casos das muitas crianças intolerantes à lactose que não podiam beber leite na escola porque muitas não forneciam esse tipo de leite: "Foram já vários os pais que, desesperados, se dirigiram ao Grupo Parlamentar Os Verdes denunciando a discriminação de que os seus filhos são alvo depois de não conseguirem a resolução da questão por via do respetivo agrupamento de escolas e da respetiva Direção Regional de Educação", lê-se no documento do PEV.

Apesar dos votos favoráveis do PS, PCP, Bloco de Esquerda e PEV, a proposta seria rejeitada com os votos contra das bancadas do PSD e CDS-PP.

Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.