sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Catarina Martins quer travar aumento da luz e combater privilégio das elétricas

© Reuters

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, afirmou que uma das suas prioridades no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) é travar o "aumento brutal" anual da fatura da luz e combater o privilégio das "elétricas".

"Para conseguir limitar o aumento da próxima fatura da luz, o BE tem como objetivo na negociação do OE 2017 conseguir os necessários cortes e compensações das produtoras elétricas para que a próxima fatura da luz não tenha de subir", disse quinta-feira à noite durante uma sessão pública em Matosinhos, no distrito do Porto.

E acrescentou: "é preciso que 2017 não comece com um aumento de 3% da luz, porque senão tudo aquilo que estamos a conquistar, nomeadamente o aumento do salário mínimo e pensões, é comido no aumento da luz".

Segundo a bloquista, a conta da luz em Portugal aumenta 3% por ano, integrando a lista dos países onde mais se paga eletricidade.

Simultaneamente, salientou, é dos países que dá às produtoras elétricas contratos com mais margem de lucro.

"Para quem produz energia em Portugal é um bom negócio, mas para a generalidade da população tem sido um péssimo negócio", frisou.

Para a líder do BE, com algumas "alterações cirúrgicas", como modificação das rendas, é possível evitar o aumento da luz, salientando que os produtores de energia não vão gostar e vão ficar irritados.

Outra das soluções apontadas por Catarina Martins é estender a contribuição extraordinária a parte das energias renováveis, cuja tecnologia já amadureceu e tem negócio estabilizado e lucrativo e, com isso, descer o défice tarifário.

"A escolha que fazemos é esta: ou combatemos o privilégio para recuperar rendimentos ou ficará tudo na mesma".

Antes do início da sessão pública, Catarina Martins reuniu-se com trabalhadores do Porto de Leixões, em Matosinhos, para falar sobre a sua situação laboral.

A coordenadora bloquista salientou que a austeridade é sempre o empobrecimento de quem trabalha para o lucro de "uns poucos", revelando que há funcionários que fazem turnos de 16 horas ou que são avisados "em cima da hora" que têm de ir trabalhar.

Lusa

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC