sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Catarina Martins quer travar aumento da luz e combater privilégio das elétricas

© Reuters

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, afirmou que uma das suas prioridades no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) é travar o "aumento brutal" anual da fatura da luz e combater o privilégio das "elétricas".

"Para conseguir limitar o aumento da próxima fatura da luz, o BE tem como objetivo na negociação do OE 2017 conseguir os necessários cortes e compensações das produtoras elétricas para que a próxima fatura da luz não tenha de subir", disse quinta-feira à noite durante uma sessão pública em Matosinhos, no distrito do Porto.

E acrescentou: "é preciso que 2017 não comece com um aumento de 3% da luz, porque senão tudo aquilo que estamos a conquistar, nomeadamente o aumento do salário mínimo e pensões, é comido no aumento da luz".

Segundo a bloquista, a conta da luz em Portugal aumenta 3% por ano, integrando a lista dos países onde mais se paga eletricidade.

Simultaneamente, salientou, é dos países que dá às produtoras elétricas contratos com mais margem de lucro.

"Para quem produz energia em Portugal é um bom negócio, mas para a generalidade da população tem sido um péssimo negócio", frisou.

Para a líder do BE, com algumas "alterações cirúrgicas", como modificação das rendas, é possível evitar o aumento da luz, salientando que os produtores de energia não vão gostar e vão ficar irritados.

Outra das soluções apontadas por Catarina Martins é estender a contribuição extraordinária a parte das energias renováveis, cuja tecnologia já amadureceu e tem negócio estabilizado e lucrativo e, com isso, descer o défice tarifário.

"A escolha que fazemos é esta: ou combatemos o privilégio para recuperar rendimentos ou ficará tudo na mesma".

Antes do início da sessão pública, Catarina Martins reuniu-se com trabalhadores do Porto de Leixões, em Matosinhos, para falar sobre a sua situação laboral.

A coordenadora bloquista salientou que a austeridade é sempre o empobrecimento de quem trabalha para o lucro de "uns poucos", revelando que há funcionários que fazem turnos de 16 horas ou que são avisados "em cima da hora" que têm de ir trabalhar.

Lusa

  • William e Kate apresentam o filho ao mundo
    1:42
  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.