sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Comissário da Economia "otimista" quanto ao orçamento português

MIGUEL A. LOPES / Lusa

O Comissário europeu Günther Oettinger disse hoje estar "confiante e otimista" quanto ao Orçamento do Estado português para 2017 e afastou o cenário de novo resgate, mas avisou que os Estados-Membros devem manter-se sob o "chapéu" das instituições europeias.

"Estou confiante de que vamos chegar a uma posição comum e pragmática quanto ao Orçamento do Estado para 2017", disse Günther Oettinger, comissário da Economia e das Sociedades Digitais, que está hoje em Lisboa, no âmbito da Conferência sobre o Mercado Único Digital da União Europeia, iniciativa coorganizada pela Comissão Europeia e o Governo português, integrada na Iniciativa 'Going Local' daquela instituição europeia.

Questionado sobre um eventual segundo resgate financeiro a Portugal, Oettinger afirmou que "Portugal está a fazer muito" há anos e continua a fazer e afastou essa possibilidade: "Penso que não é necessário um segundo resgate, isso só [aconteceria] no pior cenário. Temos de fazer o que pudermos para evitar tal desenvolvimento".

Já antes, de manhã, em audição na comissão de Assuntos Europeus, no parlamento, o comissário europeu admitiu que a probabilidade de Portugal precisar de um segundo resgate é "maior do que 0%".

"A preocupação -- agora vou dizer isto não publicamente -- seria se Portugal precisasse de um segundo programa de ajuda. Não sei qual a probabilidade, mas é maior do que 0%", afirmou Günther Oettinger na intervenção que foi transmitida em direto pela AR TV, o canal da Assembleia da República.

Já depois da audição no parlamento, o comissário sublinhou o "desenvolvimento impressionante" dos resultados portugueses, mas disse que estes "não são o fim da história" e que "há que continuar".

"Estou confiante de que os Governos fazem o que podem para estabilizar e consolidar as contas públicas e estou confiante nas perspetivas para 2017. Eu como político e tendo sido primeiro-ministro da Alemanha, sei como é difícil cortar salários, cortar no número de professores, no investimento em infraestruturas ou nas pensões", disse.

Oettinger lembrou os compromissos existentes entre o Governo português, a União Europeia e os Estados-Membros da Zona Euro quanto à redução da dívida e do défice em 2016 e 2017, sublinhando que as medidas concretas a adotar têm de ser nacionais.

"É do nosso interesse ser um parceiro solidário para todos os governos dos países da União Europeia, como para Portugal também, e que os governos estejam sob o nosso chapéu", frisou.

O comissário avisou que os Estados-Membros que não estão sob "o chapéu" das instituições europeias estão mais sujeitos à pressão de partidos populistas que dizem que há demasiada solidariedade, dando exemplos de França, Áustria, Alemanha e Holanda.

"Temos de estabilizar e equilibrar estas pressões", disse.

Sobre a possível suspensão de fundos comunitários a Portugal à luz dos procedimentos por défice excessivo, o comissário disse esperar "um desenvolvimento bom e construtivo nas próximas semanas", lembrando que hoje há uma reunião no Parlamento Europeu em Bruxelas: "Vamos esperar e ver".

O Parlamento Europeu (PE) discute hoje com a Comissão Europeia, à margem da sessão plenária e pela primeira vez, a possível suspensão de fundos estruturais a Portugal e Espanha à luz dos procedimentos por défice excessivo, no chamado 'diálogo estruturado', com caráter consultivo.

O executivo comunitário só depois deste 'diálogo estruturado' com o PE elaborará uma proposta, mas a decisão cabe ao Conselho de Ministros das Finanças da UE (Ecofin).

Lusa

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.