sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

UGT discute com PS e PCP as suas reivindicações no OE

A UGT saiu esta quinta-feira satisfeita das reuniões que manteve com os grupos parlamentares do PCP e do PS, aos quais apresentou a sua política reivindicativa para 2017, disse o seu secretário-geral, Carlos Silva, à agência Lusa.

O objetivo foi o de "ver se (estes partidos) têm condições para pegarem em algumas das reivindicações e preocupações, muitas delas sociais, e verificar se podem ser acomodadas na discussão do Orçamento do Estado para 2017", disse o dirigente da União Geral de Trabalhadores (UGT).

A sua satisfação com as reuniões foi patente quando disse: "Não posso mentir se afirmar que, quer um, quer o outro partido -- um que apoia e é o Governo, o outro que está a apoiar o Governo à esquerda do parlamento -- têm um conjunto de preocupações que são muito convergentes com aquilo que a UGT defende".

Em concreto, pormenorizou Carlos Silva, estas preocupações respeitam "à valorização dos salários e das pensões, ao aumento do indexante dos apoios sociais, à necessidade de dinamizar a negociação coletiva, à possibilidade de haver em sede de IRS um benefício fiscal ou uma dedução à coleta das quotizações sindicais", além do emprego, desemprego e diálogo social.

O secretário-geral da UGT recordou também que durante o dia de hoje esteve em Portugal a comissária europeia Marianne Thyssen, "que veio apresentar o pilar social europeu".

A este propósito, salientou que este pilar corresponde à defesa do modelo social europeu, "que valorize os rendimentos do trabalho, o diálogo social e o Estado social, por contraponto ao que têm sido as políticas de austeridade" em Portugal nos últimos quatro anos.

Estas políticas, acusou, "levaram a cortes de salários, de pensões, de complementos de reforma, ao bloqueio da negociação coletiva e fizeram incidir sobre os rendimentos do trabalho e as pensões o grosso da coluna de suporte ao pagamento daquilo que é o resgate financeiro que Portugal sofreu".

Por fim, disse que lhe foi "percetível, sobretudo por parte do PS, uma grande preocupação em querer continuar a dar aos portugueses alguns sinais de atenuação da austeridade, nomeadamente ao nível da política fiscal e do desagravamento das condições remuneratórias, mas percebe-se que há aqui constrangimentos externos e internos".

E foi nestes constrangimentos que Carlos Silva radicou "a grande dificuldade e o desafio para 2017", a saber: "Compaginar a vontade de dar mais rendimento aos trabalhadores, apoiar as empresas, mas simultaneamente promover o crescimento económico e cumprir com os compromissos internacionais".

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.