sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Cenário macroeconómico tem projeções estatisticamente plausíveis, diz CFP

NUNO FOX

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) considera que o cenário macroeconómico subjacente à proposta de Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) apresenta projeções "estatisticamente plausíveis", apesar dos riscos "descendentes assinaláveis".

"Ainda que com riscos descendentes assinaláveis, o cenário macroeconómico subjacente à proposta de OE2017 apresenta projeções estatisticamente plausíveis", refere o parecer da instituição liderada por Teodora Cardoso.

De acordo com o documento, os riscos descendentes presentes no cenário macroeconómico estão, sobretudo, "ligados às previsões relativas ao saldo comercial com o exterior e à formação bruta de capital fixo, devendo sublinhar-se serem estas as variáveis-chave para a concretização do cenário projetado".

O CFP ressalva, no entanto, que o cenário macroeconómico que consta da proposta hoje entregue no parlamento apresenta "importantes alterações da trajetória esperada para a economia portuguesa relativamente à que era apresentada quer, no OE2016, quer no Programa de Estabilidade 2016-2020".

Por um lado, destaca, "é reconhecido o arrefecimento da economia que se verifica desde o segundo semestre de 2015", mas por outro "é de assinalar a substituição do consumo privado enquanto motor do crescimento económico pelas exportações e pelo investimento".

O CFP assinala, como recomendação, a necessidade de os cenários macroeconómicos subjacentes aos diferentes documentos de programação orçamental serem elaborados para o médio prazo, pois, "apenas desta forma é possível avaliar os efeitos a prazo das políticas adotadas e a sua sustentabilidade".

O Governo apresentou hoje a proposta de Orçamento do Estado de 2017 que prevê um crescimento económico de 1,5%, um défice de 1,6% do PIB, uma inflação de 1,5% e uma taxa de desemprego de 10,3%.

Para este ano, o executivo liderado por António Costa piorou as estimativas, esperando agora um crescimento económico de 1,2% e um défice orçamental de 2,4% do PIB.

Lusa

  • 2017 regista o valor mais alto de área ardida da última década
    0:56
  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de fraco
    1:46