sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Plano Nacional de Leitura será estendido por mais dez anos

O Plano Nacional de Leitura (PNL), criado em 2006 para melhorar os níveis de literaria e leitura dos portugueses, terá continuidade até 2026, segundo a proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2017, entregue esta sexta-feira no Parlamento.

ESTELA SILVA

O Governo quer manter o PNL durante a próxima década, no âmbito do relançamento de uma "política pública na área do Livro e da Leitura".

O PNL funcionará "em articulação com a Educação, a Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e um conjunto alargado de parceiros", embora a proposta de OE para 2017 não especifique quais.

Criado em 2006 pelo Governo, para "elevar os níveis de literacia dos portugueses", o Plano Nacional de Leitura tinha uma vigência de dez anos, mas o Ministério da Educação já tinha garantido que era para continuar, sem adiantar em que moldes.

Na primeira década de atividade, o projeto envolveu a realização de estudos, trabalho de promoção do livro e da leitura em todos os agrupamentos de escolas, envolvendo municípios, a Rede de Bibliotecas Escolares, professores, bibliotecários, pais e alunos.

Uma das faces mais visíveis do PNL foi a criação de listas anuais de livros, recomendados para leitura para diferentes níveis letivos e em contexto escolar e familiar.

Em junho, em entrevista à agência Lusa, o comissário do plano, Fernando Pinto do Amaral, disse que o Plano Nacional de Leitura ajudou os portugueses a "terem maior consciência da importância da leitura".

"Hoje em dia vamos à feira do livro e vemos que há um interesse maior. Vemos que, para os pais, é importante ler uma história aos miúdos ao deitar. Foram dados passos importantes", descreveu o comissário, escritor e professor universitário.

No mais recente relatório do plano, sobre a atividade entre 2013 e 2015, disponibilizado à agência Lusa, lê-se que os diferentes programas do PNL, de promoção da leitura em ambiente escolar, tiveram cerca de 540 mil euros de apoio financeiro, envolveram quatro mil escolas da rede escolar pública e beneficiaram cerca de 1,2 milhões de crianças e jovens.

Segundo o comissário, a nova fase do PNL deverá reativar o programa "Adultos a Ler+". O que já se faz junto de crianças e jovens "também tem de ser feito junto dos adultos, porque têm poucos hábitos de leitura", disse em junho passado.

O Governo apresentou hoje a proposta de Orçamento do Estado de 2017 que prevê um crescimento económico de 1,5%, um défice de 1,6% do PIB, uma inflação de 1,5% e uma taxa de desemprego de 10,3%.

Para este ano, o executivo liderado por António Costa piorou as estimativas, esperando agora um crescimento económico de 1,2% e um défice orçamental de 2,4% do PIB.

Lusa

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11