Pagar para perder

Rio Ave reage com "espanto e indignação" a suspeitas de viciação de resultados

O Rio Ave, da I Liga portuguesa de futebol, reagiu com "espanto e indignação" à notícia revelada pela SIC sobre o alegado envolvimento de jogadores do clube num esquema de viciação de resultados.

O clube nortenho reconheceu que foi "aberto um processo que corre os seus termos na Policia Judiciária, no qual todos os elementos notificados pertencentes aos quadros do Rio Ave prestaram toda a colaboração solicitada, há seis meses", mas diz "não saber mais nada" sobre o desenvolvimento do mesmo.


"Esse processo encontra-se em segredo de justiça e sobre o mesmo não temos qualquer informação. Estranha-se que seja tratado na comunicação social quando não temos qualquer informação sobre o mesmo, nem tão pouco os visados na noticia", pode ler-se num comunicado publicado na página da internet do clube vila-condense.


No mesmo texto, os responsáveis do emblema da foz do Ave lamentam que "o simples teor de uma notícia tenha repercussões ou um tratamento desmesurado pondo em causa a integridade moral de uma instituição e dos seus profissionais".


Lamentam, ainda, que "à simples palavra arguido lhe seja atribuída uma conotação tão pejorativa, subtraindo-lhe a presunção de inocência".


Ainda assim, o Rio Ave garantiu que, tanto a instituição como os seus elementos, estão "ao dispor para qualquer esclarecimento das autoridades judiciárias e para uma total colaboração no desenrolar do mesmo processo".


"O Rio Ave sempre se regeu pelos melhores princípios de nobreza e honestidade jamais poderá ser posta em causa. Manteremos a total confiança nos intervenientes bem como o desejo de ver esta situação resolvida, indo até às últimas consequências para que a verdade seja totalmente apurada", pode ler-se no comunicado.


O clube vila-condense reiterou, por fim, "o orgulho de ter nos seus quadros atletas e profissionais íntegros e competentes, acima de qualquer suspeita, que diariamente são, como é do reconhecimento público, excelentes agentes promotores do desporto e do futebol em Portugal, bem como exemplos de cidadania".


  • Liga de Clubes manifesta total confiança no Rio Ave

    Pagar para perder

    Em reação à notícia divulgada pela SIC, a Liga Portuguesa de Futebol diz que jamais irá imiscuir-se naquilo que diz respeito aos órgãos de Polícia Criminal e aos órgãos de disciplina desportiva e manifesta total confiança nas Instituições e nas Sociedades Desportivas, nomeadamente no Rio Ave FC, consciente que a integridade é um dos valores fundamentais para as competições profissionais.

  • "As apostas desportivas são um cancro"
    4:42

    Opinião

    David Borges esteve esta quarta-feira no Jornal da Noite, da SIC, para analisar a suspeita de quatro jogadores do Rio Ave terem recebido dinheiro para perder um jogo, na época passada. O comentador da SIC diz que este é um fenómeno que preocupa "a globalidade do futebol" e, se for provado, acredita que terá um "impacto tremendo" no futebol português. David Borges lembrou que o jogo "realizou-se sobre um manto de suspeição", depois de ter sido retirado das apostas.

  • 500 mil euros apostados na mesma tendência alerta para fraude
    2:43

    Pagar para perder

    Quando há uma quantidade anormal de dinheiro apostado num mesmo sentido os alarmes de fraude soam de imediato. Foi o que aconteceu no Feirense - Rio Ave da época passada. O jogo acabou por ser suspenso dos boletins de apostas do Placard. A SIC apurou que havia 500 mil euros apostados na mesma tendência e 50 mil euros eram de um só apostador.

  • Jogadores do Rio Ave terão recebido para perder com o Feirense
    2:54

    Pagar para perder

    Pagar para perder. De acordo com uma investigação da SIC, quatro jogadores do Rio Ave foram constituídos arguidos por alegadamente terem sido pagos para perder o jogo com o Feirense, da 20ª jornada Primeira Liga da época passada. Os atletas foram aliciados por intermediários, que terão conseguido milhares de euros de lucro, em várias casas de apostas, um fenómeno conhecido como "Match Fixing", em português, Jogos Combinados.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16