sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Divulgação de documentos "é ataque contra Panamá", acusa Mossack Fonseca

A investigação de mais de 100 jornais sobre bens em paraísos fiscais de políticos ou personalidades de destaque é "um crime e um ataque" contra o Panamá, afirmou o diretor da firma de advogados Mossack Fonseca

REUTERS

"É um crime, um delito", declarou no domingo à agência noticiosa France Presse (AFP) Ramon Fonseca Mora, diretor e fundador da Mossack Fonseca, após a divulgação de vários documentos, denonminados "Documentos do Panamá", propriedade desta firma panamiana, especialista na gestão de capitais e patrimónios.

A investigação sobre 11,5 milhões de documentos encontrou bens em paraísos fiscais de 140 políticos ou personalidades de destaque.

A lista inclui o presidente da Argentina, o futebolista Lionel Messi, o cineasta espanhol Pedro Almodóvar, o rei da Arábia Saudita, elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón.

Para Fonseca, de 64 anos, "há duas maneiras de ver o mundo. A primeira é ser competitivo e a segunda criar mais impostos".

"Há uma guerra entre os países abertos, como o Panamá, e os países que cobram cada vez mais impostos às empresas e cidadãos", declarou.

De acordo com a imprensa, a Mossack Fonseca comunicou aos clientes ter sido alvo de um ataque informático, que poderá ter afetado os seus dados.

"Os documentos mostram que os bancos, as firmas de advogados e outros atores que operam em paraísos fiscais esquecem-se frequentemente da obrigação legal de verificar se os seus clientes não estão implicados em empresas criminais", afirmou o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, sigla em inglês), que coordenou a investigação e integra mais de 100 'media'.

Juergen Mossack, o outro fundador da firma panamiana, criada há cerca de 30 anos, nasceu na Alemanha em 1948, antes de emigrar para o Panamá, onde estudou direito, com a família.

Os dois advogados começaram por abrir a firma nas Ilhas Virgens britânicas, tendo deslocado a atividade para o Panamá quando as Ilhas Virgens foram obrigadas, sob pressão internacional, a abandonar o sistema de ações ao portador anónimas.

O governo do Panamá garantiu no domingo que "vai cooperar" com a justiça, em caso de abertura de processo judiciário.

  • "O bom senso obriga a acordo para a estabilização do sistema financeiro"
    2:06

    Economia

    O Presidente da República disse esta quarta-feira que "o bom senso obriga a que todos estejam de acordo para a estabilização do sistema financeiro". Num aparente recado a Passos Coelho, Marcelo apelou a um consenso de regime e avisou que "não há prazer tático que justifique o desgaste" provocado pelas divisões atuais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.