sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Divulgação de documentos "é ataque contra Panamá", acusa Mossack Fonseca

A investigação de mais de 100 jornais sobre bens em paraísos fiscais de políticos ou personalidades de destaque é "um crime e um ataque" contra o Panamá, afirmou o diretor da firma de advogados Mossack Fonseca

REUTERS

"É um crime, um delito", declarou no domingo à agência noticiosa France Presse (AFP) Ramon Fonseca Mora, diretor e fundador da Mossack Fonseca, após a divulgação de vários documentos, denonminados "Documentos do Panamá", propriedade desta firma panamiana, especialista na gestão de capitais e patrimónios.

A investigação sobre 11,5 milhões de documentos encontrou bens em paraísos fiscais de 140 políticos ou personalidades de destaque.

A lista inclui o presidente da Argentina, o futebolista Lionel Messi, o cineasta espanhol Pedro Almodóvar, o rei da Arábia Saudita, elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón.

Para Fonseca, de 64 anos, "há duas maneiras de ver o mundo. A primeira é ser competitivo e a segunda criar mais impostos".

"Há uma guerra entre os países abertos, como o Panamá, e os países que cobram cada vez mais impostos às empresas e cidadãos", declarou.

De acordo com a imprensa, a Mossack Fonseca comunicou aos clientes ter sido alvo de um ataque informático, que poderá ter afetado os seus dados.

"Os documentos mostram que os bancos, as firmas de advogados e outros atores que operam em paraísos fiscais esquecem-se frequentemente da obrigação legal de verificar se os seus clientes não estão implicados em empresas criminais", afirmou o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, sigla em inglês), que coordenou a investigação e integra mais de 100 'media'.

Juergen Mossack, o outro fundador da firma panamiana, criada há cerca de 30 anos, nasceu na Alemanha em 1948, antes de emigrar para o Panamá, onde estudou direito, com a família.

Os dois advogados começaram por abrir a firma nas Ilhas Virgens britânicas, tendo deslocado a atividade para o Panamá quando as Ilhas Virgens foram obrigadas, sob pressão internacional, a abandonar o sistema de ações ao portador anónimas.

O governo do Panamá garantiu no domingo que "vai cooperar" com a justiça, em caso de abertura de processo judiciário.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.