sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Líderes próximos do Presidente chinês em lista sobre paraísos fiscais

Pessoas próximas de altos dirigentes chineses, incluindo do Presidente Xi Jinping e do ex-primeiro-ministro Li Peng, esconderam fortunas em paraísos ficais através de empresas de fachada, segundo uma investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ).

O Presidente chinês, Xi Jinping

O Presidente chinês, Xi Jinping

Ebrahim Noroozi

Depois de analisar 11,5 milhões de documentos da empresa de advogados panamiana Mossack Fonseca, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), numa investigação que envolve mais de uma centena de órgãos de comunicação social, revelou hoje que 140 responsáveis políticos ou personalidades internacionais tinham colocado ativos em paraísos fiscais.

Entre os familiares ou pessoas próximos de altos responsáveis chineses figura Deng Jiagui, marido da irmã mais velha de Xi Jinping.

Em 2009 -- quando Xi era membro do comité permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês (PCC), a cúpula do poder no país, mas ainda não Presidente -- Deng tornou-se o único acionista de duas empresas de fachada nas Ilhas Virgens britânicas, revelou o ICIJ.

Em junho de 2012, numa investigação sobre a fortuna da família de Xi Jinping, a Bloomberg já tinha revelado que Deng Jiagui e a sua mulher detinham milhões de dólares em ativos imobiliários e títulos financeiros.

Desde a sua ascensão ao poder, no final de 2012, Xi Jinping manifestou vontade de combater a corrupção, através de uma vasta campanha bastante mediatizada, cuja eficácia é contestada por observadores.

Nos documentos panamianos analisados pelo ICIJ, figura igualmente o nome de Li Xiaolin, filha de Li Peng, primeiro-ministro chinês entre 1987 e 1998.

Li Xiaolin era, juntamente com o marido, beneficiária de uma fundação no Liechtenstein, controlada por uma empresa registada nas Ilhas Virgens britânicas, na época em que o seu pai estava em funções.

A neta do Jia Qinglin, ex-membro do comité permanente do Politburo do PCC, era então o único acionista de várias sociedades "offshore", através das quais controlava discretamente os grupos na China.

"Os Documentos do Panamá" - nome pelo qual é conhecida a lista - referem também Patrick Devillers, arquiteto francês que ajudou a mulher do antigo dirigente Bo Xilai a adquirir -- através de uma empresa de fachada -- uma propriedade imobiliária em França, uma operação financiada por subornos de um homem de negócios.

Estas revelações seguem uma investigação anterior do ICIJ, que em janeiro de 2014 mostrou como perto de 22.000 clientes ricos oriundos do interior da China e de Hong Kong estavam implicados nas empresas "offshore".

Na lista agora difundida figuram magnatas do mundo dos negócios, e pessoas da elite política da segunda economia mundial, incluindo figuras próximas do antigo Presidente Hu Jintao, de Xi Jinping, de Deng Xiaoping, e do ex-primeiro-ministro Wen Jiabao.

A estrela de cinema de Hong Kong Jack Chan detém pelo menos seis empresas geridas através do escritório de advogados Mossack Fonseca, escreve hoje o jornal South China Morning Post.

Mas segundo o ICIJ, tal como muitos clientes da respetiva empresa de advocacia, não há provas de que Chan tenha usado as suas empresas para propósitos ilícitos.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.