sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Português relacionado com caso Lava Jato incluído em lista comprometedora

O empresário português Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira, que está a ser investigado no âmbito da operação Lava Jato, aparece na lista comprometedora, divulgada este domingo por um Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação.

SIC

A lista resultou de uma fuga de informação envolvendo a empresa de advogados panamiana Mossack Fonseca, revela 107 novas sociedades "offshore" ligadas a citados no caso Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a petrolífera estatal Petrobras, no Brasil.

O portal de notícias brasileiro UOL, um dos mais de cem meios de comunicação envolvidos na investigação, noticia que a Mossack Fonseca criou sociedades em "offshores" para pelo menos 57 indivíduos já publicamente relacionados com o esquema de corrupção na Petrobras.

Idalécio de Oliveira terá aberto várias empresas "offshores" em paraísos fiscais, meses antes de vender à Petrobras parte de um campo de petróleo no Benin, em 2011.

A Mossack Fonseca constituiu a empresa Lusitania Petroleum Holding Limited nas Ilhas Virgens, em julho de 2010, a pedido do português e sete meses depois a Petrobras comprou o campo no Benin a uma subsidiária da Lusitania Petroleum, mas nunca encontrou petróleo naquele campo da África Ocidental.

O portal UOL escreve que os responsáveis pela investigação da Lava Jato suspeitam que a transação resultou no pagamento de subornos ao presidente da Câmara dos Deputados e líder do Partido do Movimento Democrático do Brasil (PMDB), Eduardo Cunha, algo que o político nega.

O UOL cita um relatório do Procuradoria-Geral da República, de 2011, segundo o qual Idalécio Oliveira transferiu eletronicamente 10 milhões de dólares (8,7 milhões de euros) para uma conta num banco suíço, mantida por João Augusto Rezende Henriques, ligado ao PMDB.

A transferência foi feita através da Acona International Investments Limited, uma empresa sediada nas ilhas Seychelles, também registada pela Mossack Fonseca.

Segundo o relatório, semanas depois, Rezende Henriques transferiu eletronicamente 1,5 milhões de dólares (1,3 milhões de euros) para uma conta num banco suíço.

Rezende Henriques disse, em depoimento à Polícia Federal, que "a conta indicada para o pagamento pertencia a Eduardo Cunha".

Em maio de 2010, e-mails trocados entre funcionários da Mossack Fonseca sugerem que a Lusitania Petroleum foi criada para ser negociada em bolsas de valores, escreve o UOL.

Os funcionários discutiam alterações no contrato social da empresa para adequá-la às regras, e tinham também a ideia de replicar o estatuto noutras companhias "offshore" do Lusitania Group.

Entre junho de 2010 e maio de 2011, o português adquiriu ou transferiu para a Mossack Fonseca 14 sociedades "offshore".

Em maio de 2011, Idalécio Oliveira respondeu à Mossack Fonseca que os seus negócios envolviam, na altura, minas em África e no Brasil e exploração de petróleo em África, e disse ainda que entraria em breve no negócio da exploração do petróleo no Brasil e na Ásia.

A lista hoje divulgada inclui 12 líderes mundiais incluindo chefes ou ex-chefes de Estado e atuais e antigos primeiros-ministros. Ao todo são 140 políticos de mais de 50 países.

Entre os nomes divulgados encontram-se os do rei da Arábia Saudita, do Presidente da Argentina e de elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón.

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação precisa que mais de 214 mil entidades "offshore", em 21 paraísos fiscais, aparecem, em 11,5 milhões de documentos, ligadas a mais de 200 países e territórios.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.